Hong Kong não é afetado por Wall Street e fecha em alta

A procura por ações, em antecipação ao vencimento do contrato futuro de março, fizeram o índice Hang Seng da Bolsa de Hong Kong fechar em alta nesta quinta-feira. China Mobile e HSBC lideraram os ganhos, em um mercado que não foi afetado pelo fraco desempenho de Wall Street. O principal índice da Bolsa subiu 1,4%, aos 19.821,78 pontos. HSBC teve alta de 0,4% e China Mobile encerrou 1,9% acima do registrado ontem. Cheung Kong avançou quase 2% depois que seu chairman, Li Ka-shing, aumentou sua participação na empresa. Ele também elevou sua participação na Hutchison Telecommunications, cujos papéis tiveram alta de 3,4%. CNOOC avançou 3,2%, em antecipação ao anúncio de seus resultados de 2006 e também devido à alta dos preços do petróleo. PCCW caiu 0,6% depois de ter divulgado resultados abaixo do esperado. O lucro líquido da empresa caiu 22% no último ano. A expectativa sobre os resultados da China Unicom fez com que seus papéis subissem 4,8%. Mas depois do fechamento do mercado a empresa divulgou queda de 24% em seus lucros em 2006. A demanda por papéis que serão incluídos no índice futuro e o "window-dressing" de fundos fizeram com que o índice Xangai Composto, da Bolsa da China, registrasse sua nona alta consecutiva. O índice subiu 0,8%, aos 3.197,54 pontos, o sétimo recorde seguido de alta. O Shenzhen Composto, porém, caiu 1,8%, para 820,72 pontos, por causa da forte queda das ações de pequenas empresas. ?Embora a avaliação dos bancos não seja atraente, eles têm valor estratégico?, disse Wu Jianxiong, analista da Guotai Junan Securities. Banco Industrial e Comercial da China (ICBC, em inglês) avançou 5,5% e Banco da China ganhou 6,4%. China Minsheng Banking registrou aumento de 1,7%; China Merchants Bank subiu 1,8% e Industrial Bank encerrou o dia 7,2% acima do apurado no pregão anterior. A demanda dos fundos por ações de bancos também afetou o desempenho do setor nesta quinta-feira. O movimento provocou a queda de ações de empresas menores. A farmacêutica Holley Pharmaceuticals caiu 10%, atingindo o limite diário, assim como Beijing Tiantan Biological Products e Anhui Feiya Textile Development. Uma baixa recorde na paridade central dólar-yuan impulsionou a moeda chinesa para uma alta pós-revalorização, depois de a moeda americana ter rompido a barreira psicológica de 7,73 yuans. Negociadores disseram que a alta das taxas de juros na China e a crescente pressão sobre Pequim por uma unidade chinesa mais forte devem continuar a manter o dólar em baixa nos próximos pregões. A moeda americana foi cotada a 7,7271 yuans no sistema automático de preços, ante 7,7284 yuans no fechamento de quarta-feira. O índice Taiwan Weighted da Bolsa de Taipé registrou aumento de 0,8%, aos 7.848,33 pontos, incentivada pelo desempenho do mercado chinês, disse Cecelia Lu, da Taiwan International Securities. Ela acredita, porém, que é provável que ?haja uma onda de vendas na próxima semana, antes dos quatro dias de feriado (entre 5 e 8 de abril)?. Empresas produtoras de vidro lideraram as altas (o índice do setor subiu 5,6%). Os investidores estão otimistas sobre o desempenho dessas empresas, que têm grande exposição ao mercado chinês, onde há crescente demanda por materiais de construção. Champion Building Materials, China Glaze e Hocheng registraram a alta limite de 7%. No mercado sul-coreano, o índice Kospi da Bolsa de Seul subiu 0,8%, para 1.450,95 pontos, em um pregão de grande volume financeiro. Segundo Oh Hyun-Seok, da Samsung Securities, os investidores ?enfocaram os ganhos do primeiro trimestre e as perspectivas da indústria?. Os papéis de empresas de construção naval tiveram forte alta em razão das expectativas de bons ganhos neste ano. Hyundai Heavy avançou 6,1% e Posco teve alta de 2,8%. SK Corp registrou aumento de 6,4% por causa da alta do petróleo. A maior queda do dia foi das ações da S-Oil (-9,1%), causada pelo pagamento de ex-dividendos. A Bolsa de Manila (Filipinas) fechou em queda de 0,4%, com o índice PSE composto fechando aos 3.151,72 pontos, por conta do grande volume de realização de lucros pelo segundo dia consecutivo. "Nós estamos sendo infectados pelos acontecimentos externos, particularmente os preços do petróleo", disse o analista Astro Del Castillo, da First Grade Holdings MD. Mas os analistas notaram que os fundos não deixaram o mercado local, somente transferiram seu interesse para outras ações, como mineradoras. Atlas Consolidated Mining & Development subiu 8,3% e Geograce Resources Philippines (GEO) teve alta de 4,6%. Megaworld caiu 5,9%, após acumular ganhos de 7,9% nos dois últimos dias. A Bolsa de Sydney (Austrália) fechou em alta, com o índice S&P/ASX 200 subindo 0,6%, para 5.960,9 pontos, auxiliado pelas compras de fim de trimestre. Mas os dealers esperam que os preços se mantenham em alta amanhã. Empresas de recursos minerais encerraram mistas. BHP Billiton subiu 1,1% e Rio Tinto caiu 0,2%. Woodside avançou 0,8% em razão da alta do petróleo ontem, quando o produto atingiu seu maior patamar em seis meses. Telstra registrou aumento de 2%. Uma proposta de joint venture da Pacific Equity Partners fez os papéis da Flight Centre subirem 5,6%. A confiança de que a economia do país continua bem, a despeito dos temores de um recuo nos Estados Unidos, levou os investidores às compras de blue chips e fez com que a Bolsa de Cingapura fechasse em alta. O índice Strait Times subiu 0,85%, aos 3.228,88 pontos. As principais compras foram de papéis de imobiliárias, devido à forte demanda por residências de alto padrão e escritórios de luxo. CapitaLand ganhou 1,9%, City Developments avançou 2,8% e Keppel Land subiu 2,7%. O otimismo com a economia também favoreceu as ações de bancos: DBS teve alta de 1,9% e UOB fechou 1,4% acima do valor de ontem. O índice composto de 100 blue chips da Bolsa de Kuala Lumpur (Malásia) fechou em alta modesta, de 0,1%, aos 1.235.89 pontos, com forte volume de operações de "window-dressing" por fundos governamentais devido ao final do primeiro trimestre e busca por ofertas tendo revertido perdas no início da sessão. As imobiliárias e construtoras estiveram entre as que tiveram maiores altas: Tebrau Teguh saltou 11,2%, MRCB subiu 14,1% e UEM World ganhou 4,5%. O mercado tailandês também teve um dia de movimento fraco, com o índice SET da Bolsa de Bangcoc fechando em alta de 0,4%, aos 671,62 pontos. Os maiores ganhos foram de companhias de energia, devido à alta dos preços do petróleo. A situação política do país é o que preocupa os investidores, que esperam se o governo declarará estado de emergência. PTT subiu 1%, Thai Oil ganhou 1,8% , Siam Cement avançou 0,9%. Rayong Refinery, no entanto, caiu 5,4%, por conta de pagamento de ex-dividendos hoje. O índice JSX Composto da Bolsa de Jacarta, na Indonésia, fechou em alta de 1%, aos 1.817,71 pontos, com destaque às compras de ofertas da mineradora de níquel Inco, que subiu 9,1% após ter caído mais de 10% nos últimos cinco pregões, e da rival Aneka Tambang, que ganhou 4% depois da perda de 6% nas últimas três sessões. Segundo operadores, a recuperação da maioria dos mercados asiáticos e a estabilidade da moeda local têm contribuído para o otimismo na bolsa indonésia. A expectativa é de que as ações continuem em alta amanhã antecipando-se ao esperado corte da taxa de juro básico da economia pelo Banco da Indonésia na semana que vem. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.