Ibovespa abre com variação positiva, mas passa a operar estável

Depois da queda de 1,64% ontem, considerada exagerada por alguns investidores, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) abriu com valorização positiva de 0,06%, aos 35.908,7 pontos. Às 10h11, no entanto, exibia estabilidade, com perda de 0,02% e 35.878,1 pontos. Passado o susto com o golpe de Estado na Tailândia e o impacto do alerta negativo da Yahoo!, o Nasdaq futuro operava em alta de 0,67%, puxado pelo anúncio do resultado trimestral e de projeções favoráveis para o futuro feitas ontem à noite pela Oracle. O S&P 500 registrava ganho mais modesto, de 0,31%. Na Europa, as principais bolsas também apresentam sinal positivo. A aposta majoritária dos investidores é de que o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) irá manter em 5,25% o juro básico nos Estados Unidos. O que é aguardado com certa ansiedade é o comentário que acompanha a decisão. A torcida é para que o documento sinalize o início da trajetória de queda do juro, dado que a inflação está sob controle e a atividades está enfraquecida. Além da expectativa com o comentário do Fomc e do desempenho do mercado internacional, o andamento dos negócios na Bovespa vai depender novamente do comportamento das ações de Petrobras. Ontem, as ações preferenciais da estatal perderam 2,07%, repercutindo a queda contínua nas cotações do petróleo, que está tendo prosseguimento esta manhã. Aqui, o mercado continua acompanhando os desdobramentos do escândalo do dossiê Vedoin, com supostas denúncias contra o candidato tucano ao governo de São Paulo, José Serra. Prevalece a avaliação de que é um ruído que provoca desconforto, mas "não faz preço".

Agencia Estado,

20 de setembro de 2006 | 10h16

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.