Ibovespa abre em alta, mas espera fala do BC americano

A alta acima do esperado do núcleo do índice de preços ao consumidor (CPI) nos EUA tirou o índice futuro da Bovespa do terreno positivo num primeiro momento, por volta das 9h30, mas o mercado doméstico de ações deu a volta por cima e abriu o pregão regular em alta. O Ibovespa à vista subia 0,40% às 10h15, a 35.272 pontos. O núcleo do CPI subiu 0,3% ante previsão de 0,2%. O índice cheio subiu 0,2%, em linha com as estimativas. A variação anual do núcleo ficou em 2,6%, longe da chamada "zona de conforto" do Fed (banco central americano), que é de 2%. A reação dos mercados à inflação nos EUA confirma que o indicador não vai definir as apostas para os juros norte-americanos. O que pode, sim, dar o rumo dos negócios hoje é o depoimento do presidente do Fed, Ben Bernanke, no Senado, previsto para as 11 horas. "As palavras do presidente do Fed deverão influenciar as percepções do mercado sobre o potencial de mais uma alta nos juros no início de agosto", afirmaram os estrategistas do HSBC. Para os analistas do WestLB, Bernanke provavelmente vai deixar a porta aberta para outro aumento nos juros nos EUA apesar dos sinais de desaceleração econômica. Enquanto esperam Bernanke, os investidores norte-americanos estão reagindo aos balanços de empresas. O Nasdaq futuro era pressionado pelo resultado do portal de internet Yahoo!. Já as ações da IBM subiam 2%, em reação ao balanço divulgado ontem à noite. Já anunciaram resultado hoje Bank of America e JP Morgan. A expectativa maior, no entanto, é com o balanço da Intel, que sai após o fechamento. No Brasil, as atenções estarão voltadas no início da noite para o resultado da reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central. O mercado já precificou um corte de 0,50 ponto porcentual na taxa Selic que, se confirmado pelos diretores do BC, levará o juro básico no País para o nível de 14,75% ao ano. A recusa pela Perdigão da oferta hostil feita pela Sadia deve ter reflexos nos papéis das duas companhias. Ontem, no after market, as ações da Perdigão bateram o limite de baixa de negociação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.