Ibovespa abre em baixa e fica em compasso de espera pelo Fed

A Bolsa de Valores de São Paulo começou o pregão em ligeira baixa, mas sem nenhuma notícia ruim que justifique uma mudança de humor por parte dos investidores. A expectativa com o comunicado do Comitê de Mercado Aberto (Fomc) do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que anuncia hoje, às 15h15, a sua decisão sobre a taxa básica de juro nos EUA, deve manter o mercado em compasso de espera. Às 10h12, o Ibovespa recuava 0,17% a 39.433 pontos. Até saber o resultado da reunião do Fomc, o mercado deverá ser movido pelos resultados de empresas - GM e Boeing já divulgaram seus balanços nos EUA hoje cedo - e também por indicadores econômicos. Às 11 horas, saem as vendas de residências usadas em setembro nos EUA e o Fed de Chicago divulga o índice de atividade industrial nacional de setembro. Às 11h30, saem os relatórios de estoques de petróleo na semana passada nos EUA. Aqui, as ações da Vale do Rio Doce que ontem ajudaram a dar sustentação à Bolsa, vão continuar no radar dos investidores. Hoje, às 10h45, o presidente da Vale, Roger Agnelli e do CEO da Inco, Scott Hand, dão entrevista, em Toronto, para comentar a compra da Inco. A Embratel, operadora de telefonia controlada pela mexicana Telmex, que anunciou prejuízo de R$ 324,2 milhões no terceiro trimestre, ante lucro líquido de R$ 54,3 milhões em igual intervalo do ano passado, também deve concentrar as atenções, mas com efeito pontual nos negócios. Outra empresa que divulgou hoje cedo balanço foi Energias do Brasil, controlada pela portuguesa EDP. A empresa registrou lucro líquido de R$ 113,99 milhões no terceiro trimestre, o dobro (108,7%) do registrado no mesmo período do ano passado. O Banco Itaú informou que sofrerá um impacto líquido negativo de R$ 1,764 bilhão no resultado do terceiro trimestre, por conta da aquisição da operação brasileira do BankBoston, anunciada em maio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.