Ibovespa abre em ligeira alta; NY segue como foco principal

A reeleição do presidente Lula não deve ter impacto nos negócios na Bolsa de Valores de São Paulo hoje porque já estava amplamente precificada. Até mesmo as especulações em torno da permanência ou não de Henrique Meireles à frente do Banco Central e Guido Mantega no Ministério da Fazenda estão sendo recebidas com tranqüilidade pelos analistas, que não esperam mudanças radicais na economia. O que puxou para baixo o índice Ibovespa futuro esta manhã é o mercado internacional, que opera cauteloso na expectativa da divulgação dos dados de renda pessoal e gastos com consumo referentes a setembro nos Estados Unidos, acompanhados pelo índice de preços PCE. O índice Bovespa à vista, porém, abriu na contramão do índice futuro. Às 10h04, o Ibovespa à vista avançava 0,02% a 39.334 pontos. Uma definição do mercado brasileiro de ações só deve ocorrer a partir das 11h30, com a abertura do pregão regular em Nova York. Ontem, os EUA e Europa saíram do horário de verão e a partir de hoje o mercado de ações norte-americano passará a operar das 11h30 às 18 horas (de Brasília). Desse modo, a Bovespa ficará uma hora e meia, pela manhã, possivelmente com volume financeiro bem reduzido, o que deixa o Ibovespa mais suscetível a distorções. Antes da abertura do pregão regular em Nova York, o mercado aqui e lá fora deverá repercutir os dados de renda/gastos nos EUA com o índice PCE às 10h30. Esses números podem alimentar ou não a preocupação dos investidores em relação ao crescimento da economia e inflação, após o baixo crescimento registrado pela economia norte-americana no terceiro trimestre, divulgado na sexta-feira. Aqui, os investidores monitoram atentamente o fluxo financeiro, que tem sido positivo. Com a entrada de R$ 209,574 milhões de capital externo na Bovespa no dia 25 o déficit acumulado no ano cedeu para R$ 937,066 milhões, o menor desde 9 de agosto (quando a saída líquida somava R$ 931,918 milhões). Com essa entrada, o saldo positivo de outubro subiu para R$ 1,286 bilhão, o maior número acumulado em um mês desde janeiro. Além disso, as atenções devem se voltar para os balanços que serão divulgados hoje, cujo efeito ser localizado. Divulgam balanço hoje a Alpargatas, Lojas Renner, Souza Cruz, Gol e Marcopolo, a geradora Tractebel e a fornecedora de equipamentos WEG. A temporada de balanços esquenta esta semana. Amanhã sai o resultado do Banco Itaú. Na quarta, saem os balanços de Elekeiroz e Petroflex,da companhia aérea TAM e da mineradora Vale do Rio Doce, que concluiu na semana passada a compra da canadense Inco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.