Ibovespa abre em queda; prossegue a angústia com EUA

A Bolsa de Valores de São Paulo abriu em baixa e aprofunda a forte perda registrada ontem. Às 10h11, o Ibovespa à vista caía 1,64% a 33.004 pontos, na mínima. O dado de inflação ao produtor (PPI), divulgado esta manhã nos EUA, não reduziu a angústia dos investidores e fez crescer a expectativa pelo dado de inflação ao consumidor (CPI), que será divulgado amanhã. O resultado da inflação de maio nos EUA pode definir um novo aumento dos juros naquele país no final do mês, derrubando os mercados globais. Na Europa, os principais índices acionários também operam em baixa expressiva esta manhã. A Bolsa de Londres e Paris caem 2%, pressionadas pelo receio de aceleração da inflação e do juro nos EUA e se ajustando à deterioração de ontem do mercado norte-americano. Os papéis das mineradoras lideram as perdas, com a BHP e a Xstrata perdendo mais de 4%. Na Ásia, a queda também é generalizada. A Bolsa da Índia desabou 4,4%, a de Tóquio caiu 4,14% e a de Hong Kong fechou em baixa de 2,48%. A menos que a Bolsa de Nova York surpreenda positivamente (o pregão lá tem início às 10h30), tudo indica que o Ibovespa à vista deve ter mais um dia ruim, entrando no negativo no acumulado do ano. Com a queda de 4,33% ontem, o índice à vista praticamente zerou o ganho acumulado este ano (+0,29%), recuando para 33.554 pontos, muito próximo do nível do final do ano passado. No dia 29 de dezembro, o Ibovespa fechou em 33.455 pontos. A Bovespa já está com está com saldo negativo de R$ 988,670 milhões no mês até o dia 8. A expectativa hoje é de um pregão com giro financeiro fraco por causa do fechamento antecipado do pregão, que por causa da estréia do Brasil na Copa do Mundo encerra às 15h. Além disso, o fluxo deve ser influenciado também pela expectativa com o CPI amanhã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.