Ibovespa amplia queda e dólar sobe após BC americano

O Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, atingiu a mínima do dia, ampliando o movimento de queda após a divulgação do comunicado sobre a reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc), do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA). O banco central norte-americano manteve os juros em 5,25%, como já era esperado, mas, ao ler o comunicado, o mercado entendeu que o Fed alerta para o risco de um "pouso forçado" na economia norte-americana. Chamaram a atenção dos operadores frases como a de que o efeito acumulado da alta dos juros se limitará à inflação e que a "a moderação no crescimento econômico parece estar continuando, refletindo, em parte, um arrefecimento do mercado de imóveis residenciais." Logo depois da divulgação do comunicado do Fed, as bolsas norte-americanas reduziram seu ritmo de alta. Às 16h05, o índice Dow Jones subia 0,66% e o Nasdaq avançava 1,43%. Já a Bovespa, que operava em queda de 0,60% no momento do comunicado, passou a ampliar a queda e atingiu a mínima do dia registrando baixa de 2,27%, com 35.070 pontos. Às 16h05, o Ibovespa recuava 1,97%, com 35.186 pontos. Em uma primeira leitura, ?o texto mantém as dúvidas sobre se a economia americana está tendo ou não um pouso suave? contrariando as expectativas de que traria alguma avaliação mais clara do Fed sobre a economia, disse um operador. No mercado de câmbio, a cotação do dólar avançou, atingindo as máximas do dia. Às 16h06, o dólar comercial era negociado a R$ 2,176, com alta de 0,60%. Depois do comunicado, o Banco Central ainda fez leilão de compra de dólar, com taxa de corte de R$ 2,1725.

Agencia Estado,

20 de setembro de 2006 | 16h17

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.