Ibovespa cai 0,56%, abaixo dos 45 mil pontos

A abertura em baixa da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) espelha o clima externo pesado nesta quarta-feira. O preço do petróleo está subindo mais de 2% no mercado internacional, reagindo ao acirramento das tensões com o Irã que mantém sob custódia os 15 marinheiros britânicos capturados na sexta-feira. Às 10h16, a Bovespa recuava 0,56%, abaixo dos 45 mil pontos (44.951 pontos). O receio de um conflito militar no Golfo Pérsico está por trás dessa disparado do petróleo (ontem à noite, o barril no pregão eletrônico da Bolsa Mercantil de Nova York superou US$ 68 o barril). Os preços da commodity podem ser influenciados também pela divulgação às 11h30 dos estoques semanais de petróleo e derivados dos EUA. A esse nervosismo no mercado de petróleo soma-se a forte expectativa com o pronunciamento do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Ben Bernanke, daqui a pouco, às 10h30, no Congresso norte norte-americano, onde ele vai falar sobre perspectivas econômicas do país. Os índices futuros de ações em Wall Street operam na defensiva, mantendo a cautela da véspera. O Nasdaq futuro cedia 0,59% e o S&P 500 registrava baixa de 0,47%. A alta abaixo do esperado das encomendas de bens duráveis de fevereiro nos EUA azedou mais um pouco o humor dos investidores. Na Europa, as bolsas também operam no vermelho. Diante dessa agenda externa robusta, deve ficar em segundo plano a revisão do Produto Interno Bruto brasileiro de 2006, pela nova metodologia do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A expansão do PIB do ano passado passou de 2,9% para 3,7%, de acordo com o anúncio feito hoje. O noticiário corporativo do dia traz como destaque a compra do controle da Cervejarias Cintra pela AmBev. A companhia diz que o valor total da operação é de aproximadamente US$ 150 milhões e não inclui a aquisição das marcas e dos ativos de distribuição da Cintra, que poderão ser incluídos no negócio por opção do vendedor. A CSN divulga após o fechamento o balanço de 2006.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.