Ibovespa cai 0,62% e passa a acumular perda no ano

No mês e no ano, passou a acumular baixa, de 0,25%

Claudia Violante, da Agência Estado,

21 de janeiro de 2011 | 18h29

A Bolsa de Valores de São Paulo tentou acompanhar o sinal positivo do exterior, sem sucesso. Assim, terminou a sexta-feira em queda pelo terceiro pregão consecutivo, e fechou no menor nível de 2011. O resultado de hoje também zerou o ganho acumulado no ano e agora a Bolsa registra perda. Sem notícias contundentes a seguir, os investidores engataram uma realização de lucros.

O índice Bovespa terminou o dia em baixa de 0,62%, aos 69.133,09 pontos. Na mínima, registrou 69.095 pontos (-0,67%) e, na máxima, os 70.027 pontos (+0,67%). No mês e no ano, passou a acumular baixa, de 0,25%. O giro financeiro totalizou R$ 5,534 bilhões. Os dados são preliminares.

Segundo profissionais desse mercado, o pregão de hoje foi apático, sem notícias de peso que pudessem ditar o rumo dos negócios. Isso embora o sinal externo tenha sido positivo, com um índice bom na Alemanha e notícias corporativas favoráveis nos EUA. Saiu hoje o índice de clima para negócios medido pelo instituto de pesquisa Ifo, que subiu para 110,3 em janeiro, de 109,8 em dezembro, acima das estimativas de 110,0 dos analistas.

Nos EUA, o balanço da GE mostrou aumento de 51% no lucro no quarto trimestre, o Google exibiu avanço de 29% nos lucros no mesmo período, mas o BofA teve prejuízo líquido de US$ 1,24 bilhão. Além disso, a HP anunciou a saída voluntária de quatro diretores e a Warner Music anunciou que será colocada à venda.

As bolsas europeias subiram e, nos EUA, às 18h16, o Dow Jones operava em alta de 0,54%, o S&P caía 0,20% e o Nasdaq avançava 0,43%.

No Brasil, as ações da Vale fecharam em alta: ON, +0,68%, PNA, +0,75%. Petrobrás ON terminou em queda de 0,76% e PN, de 0,81%. Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), o contrato do petróleo para março recuou 0,53%, a US$ 89,11 o barril.

Tudo o que sabemos sobre:
BolsaBovespaaçõesValePetrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.