SERGIO CASTRO/ESTADÃO
SERGIO CASTRO/ESTADÃO

Bovespa fecha em queda de 0,64% com temores sobre a Grécia

Sem novidades no Brasil, mercado local acompanhou o noticiário no exterior; melhora da Petrobrás no fim da sessão ajudou a reduzir as perdas da Bolsa

FABRÍCIO DE CASTRO E CLAUDIA VIOLANTE, O Estado de S. Paulo

12 de junho de 2015 | 17h41

Numa sessão com poucas novidades no Brasil, a Bovespa voltou-se para o exterior nesta sexta-feira, 12. As dificuldades nas negociações entre a Grécia e seus credores, somadas à percepção de que os EUA estão próximos de elevar juros, penalizaram os principais índices de ações na Europa, em Nova York e também a Bovespa. A bolsa brasileira terminou o dia em baixa de 0,64%, aos 53.347,53 pontos.

A Bovespa recuou durante todo o dia e, no pior momento, chegou a marcar a mínima de 53.033 pontos (-1,22%). Tudo porque, na Europa, pesava a decisão do Fundo Monetário Internacional (FMI) de deixar as negociações com a Grécia, diante da incapacidade dos envolvidos em fazer avanços em direção a um acordo. Para o Ministério de Finanças da Alemanha, o FMI mandou um claro sinal de que a Grécia precisa intensificar os esforços nas negociações com credores internacionais sobre seu programa de ajuda e que uma solução para Atenas sem o Fundo seria impensável.

Nos EUA, alguns números divulgados reforçaram as apostas de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) pode subir juros nos próximos meses, talvez já em setembro. Isso, no limite, é ruim para o mercado de ações. O índice de preços ao produtor americano (PPI, na sigla e inglês) subiu 0,5% em maio ante abril, pouco acima da previsão de +0,4%. Já a Universidade de Michigan informou que seu índice de sentimento do consumidor subiu 94,6 em junho, acima da previsão de 91,5.

Na última hora da sessão, a Bovespa diminuiu um pouco as perdas ajudada principalmente pela melhora de Petrobrás, que chegou a subir. Hoje, a empresa anunciou que sua produção total de petróleo e gás natural no Brasil e no exterior recuou 0,7% em maio ante abril, para 2,766 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed). Em relação a maio do ano passado, no entanto, houve avanço de 6,2%.

Ainda sobre a estatal, o UBS divulgou relatório no qual afirma que a empresa pode ter que vender mais do que os US$ 14 bilhões em ativos previstos no plano de desinvestimento para 2015 e 2016. Isso por causa da maior alavancagem prevista para 2016. Nesta tarde, a ANP anunciou que um novo megacampo de petróleo foi descoberto no pré-sal, na Bacia de Santos, próxima ao campo de Lula. Petrobrás ON terminou em alta de 0,21% e a ação PN caiu 0,23%.

Vale, em novo dia de recuo do preço do minério no exterior, terminou com retração de 0,80% na ação ON e de 0,78% na PNA.

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    bovespagrécia

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.