Ibovespa cai com mudanças nas regras do resultado fiscal

A ata de política monetária do banco central dos EUA também contribui para mau humor dos investidores 

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

21 de novembro de 2013 | 18h01

A Bovespa fechou o pregão desta quinta-feira, 21, em baixa, embora tenha recuperado algum terreno na reta final dos negócios, ajudada por uma leve recuperação dos papeis da Petrobrás, que operaram em baixa desde o início da sessão decido ao adiamento da reunião do Conselho de Administração da estatal, quando seria discutido a questão do reajuste dos combustíveis. O mau humor na bolsa foi conduzido também por uma correção após o feriado desta quarta-feira, 20, em São Paulo, quando foi anunciada a ata de política monetária do Federal Reserve, e pela aprovação do projeto de lei que altera as regras do superávit primário deste ano no Brasil.

O documento do Fed apresentou tom considerado mais duro, mas não esclareceu, no entanto, as dúvidas sobre quando será o início do desmonte do programa de compras de bônus de US$ 85 bilhões por mês. A reação negativa ao documento foi imediata ontem, mas, hoje, as bolsas de Nova York mostram recuperação dessas perdas, e chegaram a atingir máximas depois que o Comitê Bancário do Senado aprovou a nomeação de Janet Yellen para a presidência do Federal Reserve. A aprovação de Yellen reforça as expectativas no mercado de manutenção da política monetária relaxada nos EUA.

A Bovespa, no entanto, permaneceu indiferente ao movimento positivo visto no exterior, e manteve-se em queda por toda a sessão, reagindo a fatores locais. Na noite de ontem, o Congresso aprovou um projeto de lei que desobriga a União de cobrir as metas fiscais não atingidas por Estados e municípios, o que permitirá que o governo cumpra apenas a sua meta. A proposta era uma das prioridades do Planalto, que quer um superávit "alcançável e factível" em 2014, segundo fontes.

Do lado corporativo, pesou a confirmação pela Petrobrás na quarta-feira do adiamento da reunião do conselho da companhia, que teria como tema principal uma regra para o reajuste dos combustíveis. O encontro, que estava planejado para a próxima sexta-feira, foi transferido para o dia 29 de novembro. A falta de definição sobre o reajuste provocou forte queda dos papéis da Petrobrás durante sessão. No entanto, compra das ações da companhia à tarde por estrangeiros ajudou a aliviar a pressão sobre os papéis e a Bovespa. Petrobrás ON fechou em queda de 0,99%, enquanto a ON recuou 0,15%.

Os papéis da mineradora Vale, outra empresa importante da bolsa brasileira, também registraram baixa: Vale PNA (-1,40%) e Vale ON (1,63%).

No fechamento dos negócios, o Ibovespa recuou 0,65%, aos 52.688,02 pontos. Na mínima, registrou 52.190 pontos (-1,59%) e, na máxima, 53.027 pontos (-0,01%). No mês, o índice tem queda 2,89% e, no ano, baixa de 13,56%. O giro financeiro totalizou R$ 6,573 bilhões. Os dados são preliminares.

Tudo o que sabemos sobre:
bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.