Ibovespa fecha em alta de 0,51%, aos 65.051 pontos

Bolsa oscilou entre momentos de alta - influenciados pelas perspectivas de um pacote de ajuda à Grécia - e de baixa - em razão das declarações de Ben Bernanke

Claudia Violante, da, Agência Estado

10 de fevereiro de 2010 | 18h37

A Europa e os Estados Unidos polarizaram o rumo dos negócios no mercado de ações nesta quarta-feira. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) oscilou entre momentos de alta - influenciados pelas perspectivas de um pacote de ajuda à Grécia - e de baixa - em razão das declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Ben Bernanke. O sobe-e-desce que se alongou por todo o dia acabou deixando a definição do pregão para o final. E a Bolsa subiu.

O índice Bovespa terminou o dia em alta de 0,51%, aos 65.051,42 pontos. Na mínima, registrou 64.320 pontos (-0,61%) e, na máxima, os 65.170 pontos (+0,70%). No mês, tem perdas de 0,53% e, no ano, de 5,16%. O giro financeiro totalizou R$ 5,886 bilhões. Os dados são preliminares.

A Bolsa doméstica iniciou o dia influenciada pela expectativa de que a Europa iria ajudar a combalida Grécia e que um pacote de medidas estaria sendo costurado com o apoio da Alemanha. O dia foi recheado de rumores e desmentidos e uma confirmação só veio no final da tarde.

Os investidores já anteviam tal anúncio e foram às compras de ações na Europa. Em Londres, o índice FT-100 subiu 0,39%; em Paris, o índice CAC-40 avançou 0,63%; em Frankfurt, o índice Dax-30 teve alta de 0,69%.

Os ganhos nos EUA não se repetiram nos EUA. As considerações de Bernanke sobre as perspectivas para a política monetária acabaram por levar os índices acionários para baixo. O presidente do Fed, em discurso, observou que a taxa de juro sobre as reservas dos bancos pode passar a ser utilizada como principal instrumento de política monetária pelo banco central norte-americano, mas que, por enquanto, a economia requer uma política acomodatícia. Bernanke disse também que pode elevar em algum momento o diferencial entre a taxa de desconto que cobra dos bancos por empréstimos emergenciais e a taxa de Fed Funds.

Às 18h34, o Dow Jones caía 0,25%, o S&P, -0,28%, e o Nasdaq, -0,21%. O único indicador divulgado hoje nos EUA foi o déficit comercial, que subiu 10,4%, para US$ 40,18 bilhões, em dezembro.

No mercado doméstico, Petrobras registrou ganhos de 1,41% na ação ON e de 1,24% na PN. Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), o contrato do petróleo para março terminou em alta de 1,04%, a US$ 74,52 o barril. Vale, que divulga seu balanço depois do fechamento do mercado, subiu 0,10% na ação ON e caiu 0,07% na PNA.

O destaque do noticiário corporativo veio do anúncio, pela Camargo Corrêa, da compra de 22,17% da cimenteira portuguesa Cimpor, se tornando a maior acionista individual do grupo português.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolsa, Bovespa, ações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.