Ibovespa firma tendência de alta

Setores de construção e siderúrgico puxam altas. Ações da Vale são destaque com valorização acima de 4%

Beth Moreira, da Agência Estado,

21 de maio de 2010 | 12h28

A Bovespa se descola hoje de Wall Street operando em alta, após seis dias consecutivos de queda. A percepção de operadores é de que a recente queda dos mercados abriu oportunidades de compra para muitas ações de empresas brasileiras. A aprovação, pelo parlamento alemão, de uma contribuição de até 147,6 bilhões de euros para o pacote de ajuda aos países da zona do euro em risco de default, também ajuda a melhorar os ânimos.

 

A melhora é puxada por ações de companhias ligadas às commodities, que têm grande peso na Bolsa paulista, além das empresas de construção civil. Às 14h30 o principal índice da Bolsa paulista registrava valorização de 2,23% aos 59.489 pontos. Na máxima alcançou 60.015 pontos (+3,13%) e na mínima 57.996 pontos (-0,34%). No mesmo horário, o Dow Jonessubia 0,41% e o S&P 500 registrava alta de 0,75%.

 

Para o gestor da Schroders Brasil Marcos De Callis, a aprovação da ajuda aos países endividados pela Alemanha ajuda a melhorar o humor do mercado à medida que mostra que o plano de resgate à região está andando. O gestor lembra a Bovespa entrou no ciclo de queda antes das bolsas americanas e que é normal que uma virada aconteça antes aqui do que lá.

 

"Os Estados Unidos estão tomando providências para engatar uma recuperação, assim como a Europa, apesar das dificuldades locais. Além disso, a China continua apresentando crescimento forte, apesar das medidas recentes do governo local para conter um avanço maior".

 

Vale e siderúrgicas

 

Vale PNA sobe 4,32%, entre as maiores altas do Ibovespa e ON avança 4,13%, em dia de recuperação dos metais básicos na London Metal Exchange. Mais cedo a mineradora brasileira negou as notícias divulgadas pela imprensa na quinta-feira de que tinha proposto aumentar os preços do minério de ferro vendido a siderúrgicas chinesas no terceiro trimestre.

 

"A Vale esclarece que os preços para o terceiro trimestre serão baseados na média do índice de preços do mercado à vista para o período entre 1º de março a 31 de maio e, portanto, não estão definidos ainda", disse a empresa em um e-mail à Dow Jones Newswires. "Qualquer número sugerido é especulação ou projeção de analistas de mercado", acrescentou a companhia.

 

A Rio Tinto, a segunda maior mineradora do mundo, por sua vez, anunciou oficialmente que fechou acordos com as siderúrgicas asiáticas, excluindo as chinesas, para aumentar os preços dos contratos das matérias-primas no período de abril a junho, afirmou o porta-voz da companhia, Gervase Greene.

 

Petrobrás

 

As ações da Petrobrás também apresentam recuperação, mas com menor fôlego que Vale e siderúrgicas. Os papéis PN avançavam 0,04% e os ON subiam 0,93%. A cotação do petróleo na Nymex eletrônica recuava mais de 1%% para a casa dos US$ 69,00 o barril.

 

Hoje a estatal divulgou fato relevante para convocar assembleia para alterar os limites de capital e informou que a oferta pública de ações a ser realizada pela empresa depende ainda da definição de várias condições.

 

De acordo com a empresa, a oferta depende, entre outros itens, da definição da necessidade de recursos para financiamento do Plano de Negócios da companhia para o período 2010-2014. O plano está em fase final de elaboração, e a estatal destaca que a expectativa é de ser anunciado na primeira quinzena de junho, com valores de investimento entre US$ 200 bilhões e US$ 220 bilhões.

 

Construção

 

As empresas do setor de construção civil lideram novamente a lista de maiores altas do Ibovespa, ainda embaladas na notícia de que o Equity International, do investidor multimilionário Sam Zell, está procurando captar cerca de US$ 500 milhões para aumentar o investimento no mercado imobiliário brasileiro.

 

A aposta do investidor é de que o aumento das taxas de juros no País não limitará a demanda, já que a economia cresce no ritmo mais acelerado em vinte anos. MRV (+6,58%), Rossi (5,24%), Cyrela (+4,52%), PDG (+4,34%) e Gafisa (+4%).

 

A chefe de análise Spinelli Corretora, Kelly Trentin, destaca que o setor de construção foi um dos mais castigados nos últimos dias e agora se recupera de maneira mais intensa. "Os papéis com maior desvalorização no ano tendem a se recuperar mais agora", avalia.

 

Também figuram na lista de maiores altas do Ibovespa Brasil Ecodiesel (+5,13%) e Klabin PN (+4,54%).

 

JBS

 

JBS, que abriu o pregão figurando entre as maiores quedas do Ibovespa, reverteu o sinal beneficiando-se do bom humor do mercado nesta sexta-feira. No mesmo horário, os papéis da empresa subiam 1,25%.

 

Ontem a empresa confirmou que fará recall de itens fabricados na unidade de Lins, no interior de São Paulo, e que foram exportados para os Estados Unidos.

 

A empresa foi notificada pelo Ministério da Agricultura que as autoridades americanas detectaram a presença de Ivermectina (um vermífugo aplicado ao gado) acima do limite permitido pela legislação norte-americana em parte de seus produtos industrializados em Lins.

 

Sabesp

 

Sabesp sobe 1,55%. Ontem o presidente da empresa, Gesner de Oliveira, disse que espera que a companhia alcance uma economia de aproximadamente R$ 500 milhões caso o projeto do senador Francisco Dornelles (PP-RJ), que prevê alíquota zero de impostos para empresas de saneamento básico, passe pela Câmara. O montante exclui Imposto de Renda (IR) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

 

O projeto, apresentado em 2007 pelo senador, foi aprovado nesta terça-feira pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Somados Pasep, Cofins, IR e CSLL, no ano passado a Sabesp pagou R$ 1,06 bilhão em impostos. O montante é equivalente a 59% dos investimentos feitos pela empresa no período, de R$ 1,8 bilhão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.