Ibovespa ganha fôlego com commodities e sobe

Ibovespa fechou em alta de 1,54%, aos 63.297,04 pontos, colada à pontuação máxima do dia, de 63.299,85 pontos

Rosangela Dolis, da Agência Estado,

19 de julho de 2010 | 17h31

A bolsa brasileira tomou fôlego com a alta das ações de empresas ligadas a commodities, lideradas por Vale, e turbinou a influência positiva recebida de Nova York. Sem a divulgação de dados econômicos relevantes, as bolsas norte-americanas valorizaram o otimismo com os resultados de uma série de balanços corporativos que saem ao longo da semana e minimizaram a queda de dois pontos, para 14, do índice de sentimento de confiança das construtoras norte-americanas em julho. Com isso, fecharam com leves altas. O Ibovespa amparou-se ainda no bom desempenho de papéis de bancos e do varejo.

 

O Ibovespa fechou em alta de 1,54%, aos 63.297,04 pontos, colada à pontuação máxima do dia, de 63.299,85 pontos. A

mínima, de 62.350,90 pontos, refletiu alta de 0,02%. No mês, acumula alta de 3,88%; no ano, desvaloriza-se 7,71%. O giro financeiro somou R$ 6,734 bilhões e inclui o exercício de opções sobre ações. Os dados são preliminares.

 

De acordo com comunicado da BM&FBovespa, o exercício de contratos de opções sobre ações movimentou R$ 2,422 bilhões, sendo R$ 1,55 bilhão em opções de compra e R$ 869,13 milhões em opções de venda. Entre as opções que registraram maior volume financeiro no exercício estão Vale PNA a R$ 36,00 por ação, em opções de compra; Vale PNA a R$ 32,00 por ação, em opções de compra; Petrobras PN a R$ 25,83 por ação, em opções de compra; Net PN a R$ 24,50 por ação, em opções de venda; Net PN a R$23,50 por ação, em opções de venda.

 

Com valorizações superiores à do Ibovespa, as ações da Vale foram o principal apoio do índice. O papel PNA subiu 2,61%, para R$ 38,50, enquanto o ON evoluiu 2,80%, cotado por R$ 44,05. O mercado teria visto boas perspectivas para o comércio de commodities em duas notícias vindas da China: a primeira, no fim de semana, de que o país vai manter a "continuidade e a estabilidade" das políticas macroeconômicas no segundo semestre; e a outra hoje, de que as pressões inflacionárias diminuíram desde o início do ano e não são um grande problema para o país.

 

Entre os bancos, os destaques foram Itaúsa PN, +2,63%; Itaú Unibanco PN, +2,30%; e Bradesco PN, +2,25%. No varejo, a ação Lojas Renner ON subiu 2,22%; entre as siderúrgicas, Usiminas, que teve fortes perdas na semana passada, ganhou 3,00% no papel PNA e 4,08% no ON. Petrobras variou abaixo do índice. A ação PN subiu 0,41%, para R$ 26,95, e a ON,+0,72%, para R$ 30,80.

 

Em Nova York, após fortes quedas na sexta-feira, as bolsas fecharam em alta, no aguardo de balanços do segundo trimestre da IBM e da Texas Instruments após o fechamento do mercado. Ao longo do dia, Halliburton reportou lucro de US$ 0,53 por ação, bem acima da estimativa de ganhos de US$ 0,36 por ação.

 

A Delta Air Lines divulgou lucro US$ 0,55 por ação no trimestre passado, ante estimativas de US$ 0,63 por ação. Planos anunciados pela empresa para o crescimento da capacidade deixaram os investidores receosos de que os resultados futuros possam ser afetados. A leitura derrubou as ações de empresas do setor, como Continental Airlines e US Airways Group.

 

Após o fechamento, a IBM divulgou lucro líquido de US$ 3,39 bilhões no segundo trimestre e a ação caía 3,5% no after hours.

 

O Dow Jones subiu 0,56%, para 10.154,43 pontos; o Nasdaq valorizou-se 0,88%, aos 2.198,23 pontos; e o S&P500 ganhou 0,60%, aos 1.071,25 pontos (dados preliminares).

Tudo o que sabemos sobre:
BolsaBovespaaçõescommoditiesVale

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.