Divulgação
Divulgação

Ibovespa olha exterior e tem dia de recuperação, com alta de 2,6%

Avanço da Bolsa foi conduzido pelos ganhos das ações de bancos, Petrobrás e Vale

Clarissa Mangueira, O Estado de S. Paulo

12 Fevereiro 2015 | 17h59

A Bovespa pegou carona no clima mais positivo das bolsas internacionais, engatou um movimento de recuperação e fechou no maior nível desde 8 de janeiro. O avanço da Bolsa foi conduzido pelos ganhos das ações de bancos, Petrobrás e Vale.

No fechamento desta quinta-feira, 12, o Ibovespa subiu 2,68%, aos 49.532 pontos. O volume de negócios totalizou R$ 6,5 bilhões. Na máxima a Bolsa atingiu 49.690 pontos (alta de 3%) e, na mínima, 48.240 pontos (estável). No mês de fevereiro, o índice acumula alta de 5,6% e no ano, baixa de 0,9%.

Apesar das constantes incertezas dos investidores sobre o cenário econômico local, os agentes preferiram centrar foco no noticiário externo e realizar um ajuste na Bolsa.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou hoje um cessar-fogo nos confrontos entre separatistas pró-Rússia e o governo da Ucrânia, que entrará em vigor a partir da meia-noite de domingo. Em relação à Grécia, apesar da reunião emergencial do Eurogrupo sobre a dívida grega não ter chegado a uma solução ontem, o Banco Central Europeu (BCE) aumentou a linha de assistência de liquidez de emergência, conhecida pela sigla ELA, para o país em cinco bilhões de euros, para 65 bilhões. A notícia ajudou a impulsionar o euro e relação ao dólar.

A Bolsa manteve os ganhos, mesmo após a divulgação de dados fracos nos EUA. As vendas no varejo do país caíram 0,8% em janeiro, no comparativo mensal, em resultado pior que o esperado pelos analistas, que aguardavam queda de 0,5%. Já o valor dos estoques das empresas dos EUA subiu 0,1% entre novembro e dezembro, com um aumento de 0,5% nos estoques do varejo, segundo dados do Departamento do Comércio. A previsão de analistas apontava alta de 0,2%. No mercado de trabalho, os pedidos de auxílio-desemprego aumentaram para 304 mil na última semana, acima da previsão de 290 mil.


A agenda de indicadores doméstica teve como destaque o índice de atividade econômica do Banco Central (IBC-Br), que é considerado uma referência para o Produto Interno Bruto (PIB). O IBC-Br recuou 0,55% em dezembro, na comparação com novembro, já descontados os efeitos sazonais. Na avaliação da equipe de pesquisa do Bradesco, a queda do indicador em dezembro reforça a expectativa de uma contração no PIB do quarto trimestre calculado pelo IBGE. O Wells Fargo, quarto maior banco dos Estados Unidos, disse que as denúncias de corrupção na Petrobrás, o fraco nível de consumo e o baixo investimento podem ter "sérias consequências" na atividade econômica do Brasil este ano e possivelmente em 2016.

Após o fechamento da sessão na Bolsa, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, divulgou nota oficial, na qual afirma que a retomada do crescimento virá com apoio da iniciativa privada e que a economia brasileira tem a capacidade de responder rápido a medidas de ajustes.

No setor corporativo, Kroton ON e Estácio ON estavam entre os destaques de alta da sessão, subindo 14,48% e 10,62%, respectivamente. Os papéis subiram depois de o ministro da Educação, Cid Gomes, dizer ontem que o governo iria anunciar em breve mudanças nos critérios de concessão de benefícios do Fies. De acordo com o ministro, novos critérios serão criados para que o financiamento seja liberado para cursos de qualidade e estratégicos para o País.

Entre os principais componentes do índice, os papéis ON e PN da Petrobrás avançaram 5,88% e 5,20%, respectivamente. A Moody's disse em um relatório que as grandes companhias de petróleo da América Latina estão resistentes em meio aos baixos preços do petróleo. Segundo a agência de classificação de riscos, a resiliência apresentada pela Petrobrás e pela mexicana Pemex irá compensar o fluxo de caixa baixo. Para os analistas, a baixa dos preços é favorável também aos setores de etanol e aéreo no Brasil, mas tem pouco impacto nos setores químico, de celulose, de siderurgia e de mineração.

Ainda entre as altas da sessão estavam as ações de bancos e da Vale. Banco do Brasil ON (+5,28%), Bradesco PN (+3,97%) e Itaú Unibanco PN (+2,63%). Vale ON e PNA subiram 2,27% e 1,92, respectivamente.

Mais conteúdo sobre:
bovespabolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.