Suamy Beydoun/Agif
Suamy Beydoun/Agif

Top picks: Ibovespa pode ir aos 120 mil pontos após reforma da Previdência

Base para otimismo vem da expectativa em relação à taxa de juros, que deve cair depois que a reforma for definitivamente aprovada no Congresso

Renato Carvalho, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2019 | 04h00

A aprovação da reforma da Previdência em primeiro turno na Câmara dos Deputados faz com que os analistas projetem que o Ibovespa chegue aos 120 mil pontos até o final do ano. A base para esse otimismo é principalmente a expectativa em relação à taxa de juros, que deve cair depois que a reforma for definitivamente aprovada no Congresso.

 

“O mercado vem precificando a reforma da Previdência desde o governo Temer. Mas ainda há espaço para altas na medida que houver progresso relevante até a aprovação final. A tendência para o índice no segundo semestre deve se manter positiva, refletindo uma melhora nas condições econômicas e juros mais baixos. Estimamos o Ibovespa em 120 mil pontos no fim do ano”, diz Alexandre Faturi, analista da Nova Futura Investimentos.

Para Ricardo Peretti, estrategista de Pessoa Física da Santander Corretora, os investidores já contam com a aprovação da reforma na Câmara, principalmente após a votação expressiva conseguida na quarta, 10, de 379 deputados a favor do texto-base.

“Apesar desse grande evento estar aparentemente precificado, mantemos uma visão construtiva sobre o Ibovespa no segundo semestre, uma vez que ainda temos um preço-alvo de 115 mil pontos para o índice ao fim do ano. Além disso, se considerarmos a atual expectativa do mercado, de corte da Selic e de uma taxa estrutural de juros mais baixa, há risco de revisão para cima em nossas projeções”, diz o analista do Santander.

Ele cita ainda o pacote de estímulos que o Ministério da Economia deve anunciar nas próximas semanas, que deve manter os investidores animados por mais tempo e que dividirá as atenções com os balanços do segundo trimestre de 2019.

Para o analista do MyCap, André Ferreira, o Ibovespa e as ações estão em patamares altos, o que estimula um movimento de realização de lucros nos próximos dias. Mas os efeitos positivos da reforma devem trazer novo ânimos aos investidores.

“A bolsa tem gás para buscar os 120 mil pontos até o fim do ano, mas com ressalvas. Com o PIB ainda sem crescer e sem investimentos das empresas, o alerta permanece ligado. Para manter o movimento de alta de forma constante, as reformas econômicas devem continuar sendo prioridade no governo, como simplificação e redução de impostos”, diz Ferreira.

Na visão do economista-chefe do banco digital Modalmais, Alvaro Bandeira, uma parte da reforma realmente já estava precificada na Bolsa. “Porém, não dá para apagar que é uma boa notícia que dá capital político para formatar novas reformas e mudanças macro e microeconômicas, de maior efeito sobre a economia. Assim, devemos olhar para a tendência de mais longo prazo que segue sendo de alta, ao invés de coletar as posturas de poucos pregões”, afirma.

Em relação às carteiras para a próxima semana, duas corretoras trocaram todas as recomendações. A MyCap recomenda Bradesco PN, Petrobrás PN, Localiza ON, CSN ON e Via Varejo ON. Já a lista da Nova Futura é formada por CVC ON, Eletrobras ON, Enauta ON, Ferbasa PN e Petrobrás PN.

A Mirae Asset fez duas alterações em suas recomendações. Saíram Banrisul PNB e Cemig PN, com as entradas de Banco do Brasil ON e Itaú Unibanco PN. A Terra Investimentos fez uma alteração, saindo Fleury ON, com a inserção de Petrobrás PN.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.