Ibovespa pode recuar aos 29 mil pontos este ano

Grécia apresentou novo plano de austeridade fiscal, mas alívio deve ser temporário

Nalu Fernandes, da Agência Estado,

03 de março de 2010 | 17h24

O estrategista da Pentágono Asset Management, Marcelo Ribeiro, avalia que a Bolsa brasileira pode buscar os 29 mil pontos neste ano, possivelmente fechando 2010 abaixo disso, talvez em 25 mil pontos. Para o dólar, a previsão é de que a moeda pode sair do nível atual, em torno de R$ 1,80, rumando em direção a R$ 3,00.

 

O cenário delineado em entrevista ao programa AE Broadcast Ao Vivo, da Agência Estado, toma por base um impacto exógeno importante derivado da expectativa de uma série de defaults soberanos, e não apenas de um agravamento da situação na Grécia. O país apresentou hoje um novo plano de austeridade fiscal, mas o estrategista avalia que qualquer alívio relacionado ao tema deve ser temporário.

 

Ribeiro destaca que foi transferido para os governos o risco que estava nas mãos de pessoas físicas. "Agora, há o risco gigantesco de haver uma série de calotes não apenas na Europa", reitera. Em um cenário como este, o Brasil será muito afetado. "Como em todas as outras crises e volatilidade no mundo inteiro, o Brasil sendo um país high beta - com uma volatilidade muito alta - sempre amplifica os movimentos bons e ruins do mercado internacional." A volatilidade decorrente de um evento exógeno macro muito intenso faria com que os ativos do País estivessem entre os que mais sofressem, continua ele. Ribeiro lembra que, na crise acentuada pela falência do Lehman Brothers, a moeda brasileira esteve entre as que mais se desvalorizaram e a Bolsa foi uma das que mais caíram.

 

Além de um default soberano ser menos raro do que se imagina, Ribeiro acrescenta que é um dos eventos mais devastadores do mercado. Dando sequência a esta perspectiva, o estrategista diz que está bastante seletivo quando o assunto é a Bolsa, e também está "muito defensivo, pois provavelmente a direção é para baixo". Ribeiro discorda das projeções que indicam que o

Ibovespa ruma para os 80 mil pontos ou 85 mil pontos e acrescenta que vê um nível "muito abaixo" destes para a Bolsa brasileira. "Podemos testar os 29 mil pontos. Não vejo nenhuma impossibilidade quanto a isso", reforça.

 

Ribeiro, que já antecipou mudanças de rumo para o Ibovespa que se confirmaram posteriormente e antecipou, em 2006, que uma recessão ocorreria nos EUA, reconhece que também está "totalmente fora do consenso" quanto à moeda brasileira. Ele acrescenta, porém, que níveis fora do consenso de mercado já foram registrados em outras crises, como o que ocorreu no pós-Lehman Brothers. "O dólar pode buscar patamares muito distantes do que o consenso aponta."

 

Para o crescimento brasileiro, o estrategista avalia que seria possível alcançar expansão de 5% do PIB em 2010. Mas, novamente, no caso de um evento exógeno, "projeções como esta cairiam por terra", e o crescimento do PIB eventualmente cairia para 2% ou 1%.

 

Ribeiro avalia ainda que uma depressão econômica mundial ainda não está descartada. "Infelizmente, não concordo com o cenário de que a depressão foi evitada." Ele cita que ainda há contração do crédito global e lembra que uma melhora econômica como a experimentada em 2009 para grande parte dos países também foi algo que ocorreu durante a Grande Depressão.

Tudo o que sabemos sobre:
Pentágono, Marcelo Ribeiro,

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.