Ibovespa recua 0,71% e volta aos 69 mil pontos

Com o resultado de hoje, o índice diminuiu ainda mais os ganhos acumulados de janeiro, reduzindo-os a apenas 0,37%

Claudia Violante, da Agência Estado,

20 de janeiro de 2011 | 18h47

O resultado da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, ontem, e os indicadores chineses levaram o índice Bovespa de volta aos 69 mil pontos, onde havia pisado pela última vez no primeiro pregão deste ano. O recuo da Bolsa hoje foi puxado pelos papéis ligados a matérias-primas (commodities) e também de bancos, que sentiram o efeito do comunicado do Banco Central divulgado após a decisão de elevar a taxa Selic de 10,75% para 11,25% ao ano.

O Ibovespa terminou em baixa de 0,71%, aos 69.561,53 pontos, menor nível desde os 69.304,81 pontos de 30 de dezembro. Com o resultado de hoje, o índice diminuiu ainda mais os ganhos acumulados de janeiro, reduzindo-os a apenas 0,37%. Na mínima pontuação do dia, hoje, registrou 69.177 pontos (-1,26%) e, na máxima, 70.083 pontos (+0,04%). O giro financeiro totalizou R$ 7,408 bilhões. Os dados são preliminares.

Ontem, o BC confirmou as expectativas e aumentou o juro básico da economia brasileira para 11,25% ao ano, em 0,50 ponto porcentual. Mas o que intrigou os investidores foi a autoridade monetária afirmar, no comunicado, de que poderá adotar mais ações macroprudenciais para conter a inflação. Os papéis dos bancos sentiram o baque, antevendo outras ações, como a que elevou de 15% para 20% o recolhimento compulsório sobre depósitos a prazo e de 8% para 12% o recolhimento adicional cobrado de depósitos à vista e a prazo, numa dessas medidas. Bradesco PN perdeu 1,79%, Itaú Unibanco PN, -2,44%, Santander unit, 3%, e BB ON, -0,68%.

Já os papéis ligados às commodities caíram depois que os números sobre a economia chinesa levantaram a hipótese de mais medidas para conter o avanço da inflação e diminuir o forte crescimento da economia.

Vale ON perdeu 1,68%, Vale PNA, -1,06%. Petrobrás ON recuou 0,13% e PN, -0,11%. Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), o contrato do petróleo para fevereiro, que venceu hoje, terminou em baixa de 2,20%, a US$ 88,86 o barril. O contrato futuro para março caiu 2,42%, a US$ 89,59 o barril. O Departamento de Energia (DOE) divulgou hoje que os estoques de petróleo dos EUA subiram 2,617 milhões de barris na semana passada, ante previsão de queda de 900 mil de barris. Os estoques de gasolina tiveram alta de 4,443 milhões de barris (previsão de +2,3 milhões de barris).

Nos EUA, saíram novamente indicadores mistos nesta quinta. O número de pedidos de auxílio-desemprego ficou abaixo das previsões, as vendas de imóveis residenciais usados cresceram mais do que se previa em dezembro e o índice dos indicadores antecedentes da economia também subiu mais do que se esperava. O índice de atividade do Fed de Filadélfia, porém, ficou abaixo das previsões em janeiro, enquanto o componente de preços mostrou aceleração. Às 18h40, o índice Dow Jones recuava 0,09%, o S&P-500 caía 0,21%, e o Nasdaq perdia 0,80%.

Tudo o que sabemos sobre:
BolsaBovespaaçõesjuroSelicChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.