Ibovespa recua 1,03% para menor nível em quase 1 mês

No mês e no ano, a Bolsa voltou a acumular perda, de 0,86%

Claudia Violante, da Agência Estado,

26 de janeiro de 2011 | 18h35

A Bolsa de Valores de São Paulo trabalhou hoje descolada dos mercados externos e o índice Bovespa operou em baixa praticamente toda a sessão, puxada por um recuo generalizado dos papéis. A falta de notícias que estimulasse compras e a preocupação com a deterioração do quadro de inflação e também de alta do real serviram de pano de fundo aos negócios.

O Ibovespa terminou o dia em baixa de 1,03%, aos 68.709,22 pontos, menor pontuação desde os 68.040,94 pontos de 28 de dezembro de 2010. Na mínima do pregão de hoje, registrou 68.515 pontos (-1,31%), e, na máxima, 69.556 pontos (+0,19%). No mês e no ano, a Bolsa voltou a acumular perda, de 0,86%. O giro financeiro totalizou R$ 6,833 bilhões. Os dados são preliminares.

O IBGE divulgou pela manhã um IPCA-15 salgado, de 0,76% em janeiro, o que reforça a deterioração do quadro de inflação. Isso é negativo para a Bovespa, que também sofre com a alta de preços na China, onde Pequim terá, em algum momento, que lançar mão de aumento de juros para esfriar a economia e, por tabela, reduzir o consumo de matérias-primas (commodities) - ponto negativo de novo para a Bovespa. Diante desse quadro, o estrangeiro tem optado por outros mercados, como o norte-americano, que vem exibindo sinais de melhora e onde o Federal Reserve (Fed, banco central americano) manteve hoje a taxa básica de juros entre zero e 0,25%.

O resultado da sessão, assim, foi de queda espalhada, com destaque para o setor ligado a consumo, como construtoras e varejo. As três maiores quedas do índice Bovespa eram da construção civil: PDG ON (-6,10%), Rossi ON (-5,34%), MRV ON (-4,59%). As blue chips Vale e Petrobrás também terminaram em baixa, assim como as siderúrgicas: Vale ON, -0,08%, Vale PNA, -0,53%, Petrobrás ON, -1,70%, Petrobrás PN, -0,56%, Gerdau PN, -1,87%, Metalúrgica Gerdau PN, -2,43%, Usiminas PNA, -3,03%. CSN ON foi exceção e subiu 0,17%.

Nos EUA, às 18h20, o Dow Jones subia 0,18%, o S&P ganhava 0,50% e o Nasdaq avançava 0,85%. Na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex), o contrato do petróleo para março terminou em alta de 1,32%, a US$ 87,33 o barril.

Tudo o que sabemos sobre:
BolsaBovespaaçõesValePetrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.