Ibovespa se mantém em terreno negativo

Às 12h54, o Ibovespa recuava 0,43%, aos 70.616 pontos

Vanessa Stecanella e Kelly Lima, da Agência Estado,

19 de janeiro de 2011 | 13h11

Depois de abrir em alta, acima dos 71 pontos, a Bovespa perdeu força logo na primeira hora de negociação e passou a operar de lado. Analistas afirmam que a Bolsa brasileira não está conseguindo fluxo suficiente para sustentar as blue chips e procura referencia nas bolsas norte-americanas. Às 12h54, o Ibovespa recuava 0,43%, aos 70.616 pontos. Na mínima, atingiu 70.580 (-0,48%) e, na máxima, alcançou 71.190 (+0,38%). O giro financeiro somava R$ 1,52 bilhão, com previsão para alcançar R$ 5,86 bilhões no fechamento. Em Wall Street, o Dow Jones operava estável e o S&P caía 0,31%

Petrobrás conteve a queda do principal índice durante um bom tempo, mas não teve força suficiente para se sustentar em alta e acabou virando o ponteiro. Instantes atrás, o papel PN cedia 0,25% e a ação ON recuava 1,13%.

As ações da estatal chegaram a impulsionar a alta do Ibovespa depois que uma pesquisa da Universidade Federal do Rio (UFRJ) apontou que as reservas de petróleo da área do pré-sal do País podem conter pelo menos 123 bilhões de barris, mais que o dobro do que é estimado pelo governo. Logo após a publicação do estudo, do professor Hernani Chaves, pela agência Bloomberg, os papéis chegaram a aponta alta de quase 1%.

Apesar da euforia do mercado, a possibilidade de as reservas do pré-sal ultrapassarem os 100 bilhões de barris já havia sido aventada há cerca de dois anos. Na ocasião, o então ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, chegou a comentar sobre a perspectiva de geólogos de que haveria cerca de 150 bilhões de barris sob a extensão do pré-sal, entre os estados de Santa Catarina e Espírito Santo. A perspectiva deixaria o Brasil entre os cinco primeiros países no ranking de reservas de petróleo, liderado hoje pela Arábia Saudita, Rússia e Irã, todos com mais de 300 bilhões de barris.

Já as ações da Vale realizavam lucros hoje, apesar de os metais básicos se firmarem em alta no plano externo, com o cobre relativamente perto das máximas e o estanho próximo do recorde atingido no ano passado. Vale PNA perdia 0,54% e a ON, -0,59%.

MMX Mineração liderava as baixas mais expressivas (-2,87%), seguida por Cyrela (-1,64%), Pão de Açúcar (-1,63%), TIM (-1,60%), MRV (-1,29%), Gafisa (-1,22%) e Marfrig (-1,22%).

"Investidores embolsam ganhos obtidos com o setor de construção, que subiu impulsionado por prévias operacionais que indicam desempenho positivo no ano passado", destacou Rodrigo Campos,

Institutional Sales da Fator Corretora.

TAM

TAM PN subia 1,82% e liderava as maiores altas do índice, depois que a companhia informou que passará a pertencer a um mesmo grupo econômico com a chilena LAN, com vistas à associação firmada entre as duas companhias em 13 de agosto de 2010, e uma vez implementadas todos os termos dos contratos firmados entre as empresas e após a aprovação das autoridades. De acordo com comunicado, em atendimentos às determinações regulatórias brasileiras, a titularidade de 80% do capital votante da TAM permanece de brasileiros.

Profissionais afirmam que o papel deve enfrentar pequena oscilação diante da notícia, uma vez que no ano passado, quando foi divulgada a operação, investidores já conseguiram embolsar os ganhos. "A companhia deu apenas mais um passo na operação já conhecida. O que tinha de ganho já foi dado e agora só veremos um motivo para forte movimento quando terminar o processo", disse Alexandra Almawi, economista da Lerosa Investimentos.

Para concretizar o negócio, a TAM deverá fazer uma oferta pública de permuta para cancelamento de registro de companhia aberta, envolvendo ações preferenciais em circulação e ações ordinárias em circulação, em ambos os casos excluindo aquelas detidas indiretamente pelos acionistas controladores TAM. A oferta pública será efetivada apenas caso haja adesão de acionistas que representem, no mínimo, 95% do capital total da TAM.

As marcas TAM e LAN Airlines serão mantidas, uma vez que cada companhia continuará a atuar com sua respectiva marca. A operação de união entre as duas companhias ainda depende da aprovação de autoridades de diferentes países, em especial da Agência Nacional da Aviação Civil (Anac).

Também entre as maiores altas do Ibovespa estavam Braskem (+1,48%), Brasil Telecom (+1,08%), OGX Petróleo (+0,91%), Cosan (+0,58%), PortX (+0,55%) e LLX (+0,23%).

Tudo o que sabemos sobre:
bolsaBovespaValePetrobrásações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.