Ibovespa segue alta de NY e fecha acima de 56 mil pontos

Após oscilar pela manhã, o Ibovespa ganhou fôlego na segunda metade da sessão desta terça-feira, 21, e fechou no terreno positivo, acima do patamar de 56 mil pontos. Segundo profissionais do mercado, a Bolsa acompanhou o cenário externo e foi ajudada especialmente pelo bom desempenho das ações da Vale.

EULINA OLIVEIRA, Agencia Estado

21 de maio de 2013 | 18h05

O discurso do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, feito na tarde desta terça-feira na Câmara dos Deputados, não afetou os negócios na Bolsa. "Não houve novidades", comentou um operador. O mercado aguardava uma sinalização sobre um aperto mais forte dos juros na próxima reunião do Copom.

O Ibovespa terminou o dia em alta de 1,01%, na máxima, aos 56.265,32 pontos. Na mínima, registrou 55.379 pontos (-0,58%). Em maio, acumula alta de 0,64% e, no ano, perde 7,69%.

O Ibovespa seguiu Wall Street e avançou em reação à declarações de dois presidentes regionais do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) favoráveis à continuação do programa de compra de bônus.

O mercado aguarda, porém, as declarações do presidente do Fed, Ben Bernanke, que participa na quarta-feira de uma audiência pública no Congresso dos Estados Unidos. Outro foco da quarta-feira é a ata da reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do BC americano referente à reunião de 30 de abril e 1º de maio.

Entre as blue chips, Petrobras PN fechou com ganho de 0,20% e ON, +0,26%, enquanto Vale avançou 1,03% na PNA e 0,79% na ON. Já a petroleira OGX, que tem o terceiro maior peso no índice, encerrou em alta de 1,16%.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsaIbovespafechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.