Ibovespa sobe 1,10% com fortalecimento de bancos

Como o setor financeiro é o mais forte da Bolsa, movimento de alta de bancos, principalmente Bradesco e Itaú, puxou índice para cima, indo aos 51.992,89 pontos; por tabela, papéis da Vale e Petrobrás também subiram

Fabrício de Castro, O Estado de S. Paulo

05 Dezembro 2014 | 17h56

Os principais vetores do mercado financeiro nesta sexta-feira, 5, o relatório de emprego nos EUA (payroll) e o IPCA no Brasil, não foram capazes de impulsionar a Bovespa. Foi preciso que a Bolsa, em dólar, caísse para abaixo dos 20 mil pontos para que, atraídos pela oportunidade, os investidores estrangeiros fossem em busca de papéis, principalmente de Bradesco e Itaú. Como o setor financeiro é o mais forte da Bolsa, o movimento puxou o Ibovespa e, por tabela, os papéis de Vale e Petrobrás.

No fim, o Ibovespa registrou alta de 1,10%, aos 51.992,89 pontos. Na mínima da sessão, marcou 51.164 pontos (-0,51%) e, na máxima, 52.011 pontos (+1,14%). Pela segunda semana consecutiva, terminou em baixa, de 4,99%. Nas duas últimas semanas, acumulou recuo de 7,29%, praticamente apagando a alta de 8,33% registrada na semana encerrada em 21 de novembro. No ano, o Ibovespa voltou a subir, +0,94%. O giro financeiro somou meros R$ 4,535 bilhões.

No fim da manhã, o Departamento do Trabalho dos EUA informou que a economia do país criou 321 mil empregos em novembro. O resultado foi o melhor desde janeiro de 2012, ficando acima dos 230 mil novos postos esperados. O resultado do payroll, no entanto, teve uma leitura enviesada no mercado acionário doméstico, ao sinalizar a possibilidade de antecipação do aumento de juros nos EUA, o que vai atrair o investidor de volta para lá.

Segundo um operador, além dos EUA, o juro doméstico também é um importante concorrente da Bolsa brasileira. "Com juro doméstico em 11,75% e no restante do mundo perto de zero, quem entra aqui não quer saber de Bolsa. Vai para o DI", destacou.

Assim, para entrar na Bolsa, o investidor quer um prêmio e não está vendo este retorno neste momento. É o que está acontecendo também em papéis importantes, como Petrobrás. As ações da estatal oscilaram entre altas e baixas hoje, pressionadas pelo recuo do preço do petróleo e pelo noticiário negativo que envolve a companhia. A Vale também trabalhou em baixa parte da sessão. Ambas as ações se recuperaram à tarde, em função da melhora geral do Ibovespa, desencadeada pela procura pelas ações de bancos.

Petrobrás ON subiu 0,17% e PN teve alta de 0,25%, enquanto Vale ON avançou 0,97% e Vale PNA teve ganho de 1,08%. No setor financeiro, Bradesco PN, 2,21%, Itaú Unibanco PN, 1,90%, BB ON, +2,21%, Santander unit, +0,99%.

Em Nova York, o Dow Jones subia 0,34%, o S&P 500 tinha alta de 0,17% e o Nasdaq avançava 0,22%.

Mais conteúdo sobre:
bolsamercadosetor financeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.