Ibovespa sobe e acumula alta de 15% em quatro semanas de ganhos

Com forte fluxo, bolsa escapa de influência negativa de NY e sobe 1,45% no dia e 1,54% na semana

Claudia Violante, da Agência Estado,

11 de abril de 2014 | 17h44

A Bovespa fechou em alta nesta sexta-feira, 11, na contramão das bolsas norte-americanas, puxada por um forte fluxo de recursos. O principal índice à vista avançou mais de 1% e acumulou sua quarta semana consecutiva de ganhos.

O Ibovespa terminou a sexta-feira em alta de 1,45%, aos 51.867,29 pontos. Na mínima, registrou 50.518 pontos (-1,19%) e, na máxima, 51.871 pontos (+1,45%). Na semana, registrou elevação de 1,54%, acumulando quatro semanas no azul (+15,34%). No mês, sobe 2,88% e, no ano, 0,70%. O giro financeiro totalizou R$ 6,559 bilhões.

Profissionais consultados argumentaram que o forte fluxo de recursos, sobretudo de estrangeiros, se sobrepôs aos argumentos, daí a alta firme da bolsa doméstica, na contramão das norte-americanas. Nem mesmo a notícia de que a Petrobras recebeu hoje uma Ordem Judicial para entrega de documentação sobre um contrato investigado pela Polícia Federal prejudicou as ações. Petrobras ON avançou 2,90% e PN, 3,25%.

Vale, no entanto, subiu menos por causa das preocupações com o desempenho da economia chinesa e a queda do minério de ferro. Os papéis, que operavam entre altas e baixas, se firmaram com pequena alta na última hora do pregão depois de a Moody''s ter elevado a perspectiva de rating da Vale de estável para positiva. Vale ON, +0,52%, Vale PNA, +0,57%.

Sabesp ON caiu 5,55%, a segunda maior baixa do Ibovespa, depois que a Arsesp adiou a divulgação, prevista para ontem à noite, da nota técnica final sobre a primeira revisão tarifária da empresa.

Em Nova York, os dados de inflação chineses e o balanço fraco do JPMorgan empurraram os papéis para baixo. Dow Jones recuou 0,89%, aos 16.026,75 pontos; S&P recuou 0,95%, aos 1.815,69 pontos; e o Nasdaq terminou em baixa de 1,34%, aos 3.999,73 pontos.

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.