Ibovespa sobe impulsionda por Vale

Ibovespa subia 0,55%, aos 69.282 pontos, com giro de R$ 1,25 bilhão e previsão de R$ 5,44 bilhões para o fechamento

Fabiana Holtz, da Agência Estado,

25 de março de 2010 | 11h50

A melhora do humor externo, com notícias positivas nos EUA e Europa e a divulgação de

balanços corporativos no mercado local impulsionam a Bolsa brasileira nesta manhã de quinta-feira. Às 11h34, o Ibovespa subia 0,55%, aos 69.282 pontos, com giro de R$ 1,25 bilhão e previsão de R$ 5,44 bilhões para o fechamento.

 

Vale PNA avançava 1,18%, e Vale ON subia 1,35%, em meio à recuperação do mercado de commodities, na esteira do enfraquecimento do dólar. Dentro das negociações do preço do minério de ferro com a siderúrgicas, a expectativa é de que a mineradora esteja pedindo um aumento superior a 100% para os contratos. Operando próximas da estabilidade, Petrobras PN subia 0,08% e ON caía 0,05%.

 

Na cena internacional, a queda maior do que a esperada no número de pedidos de auxílio-desemprego nos EUA, de acordo com dados do Departamento do Trabalho divulgados nesta manhã, animou os investidores. Ao mesmo tempo, na Europa a declaração do presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet de que a instituição vai continuar aceitando bônus com rating BBB- como colateral no próximo ano também tranquilizou os mercados com relação à crise da dívida da Grécia.

 

Destaque entre as maiores altas do índice, as ações da MRV Engenharia, que divulgou balanço na noite de ontem, subiam 2,43%. A incorporadora obteve lucro líquido recorde de R$ 121,9 milhões no quarto trimestre de 2009, com um salto de 69,3% na comparação com igual período do ano anterior. Na mesma base de comparação, a geração de caixa medida pelo Ebitda da companhia cresceu 65,5%, para R$ 157,589 milhões, com leve retração em sua margem Ebitda de 29,8% para 29,4%.

 

Para 2010, a MRV espera atingir uma margem Ebitda entre 25% e 28%, com vendas contratadas entre R$ 3,7 bilhões e R$ 4,3 bilhões.

 

Relação de troca Oi-BrT

 

Liderando entre as maiores quedas do índice, as ações preferenciais da BrT PN recuavam 6,76% há instantes, com os investidores reagindo à nova relação de troca de ações da Oi com a BrT que irá balizar o processo de incorporação, suspenso desde janeiro. A nova relação é de 0,3955 ação ordinária da Telemar para cada ação ordinária da BrT e de 0,2191 ação preferencial classe C da Telemar para cada ação preferencial da BrT. O novo cálculo foi elaborado pelo banco Credit Suisse, contratado pela empresa para trabalhar na operação.

 

O processo de incorporação foi suspenso pelo grupo Oi em janeiro, após a descoberta de um esqueleto judicial avaliado em R$ 2,5 bilhões, referente aos antigos planos de expansão do sistema Telebrás.

 

Em queda seguiam Cesp PNB (-1,22%) e Cemig PN (-1,50%). A Cesp informou lucro líquido de R$ 762,7 milhões em 2009, revertendo prejuízo de R$ 2,351 bilhões em 2008. A Cemig, por sua vez, fez contrato de opção de venda com a gestora americana Enlighted Partners Venture Capital, que permitirá à estatal, caso exerça a opção, adquirir uma participação indireta de 9,75% na Light. O acordo, divulgado ontem à noite, prevê que a opção seja exercida entre o 1º e o 6° dia de outubro de 2010.

Tudo o que sabemos sobre:
BovespaValeOiBRT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.