Ibovespa tem ligeira alta à espera por acordo nos EUA

Índice terminou o dia com ganho de 0,29%, aos 53.149,62 pontos

Claudia Violante, da Agência Estado,

11 de outubro de 2013 | 17h41

A aparente iminência de um acordo nos Estados Unidos trouxe alívio aos ativos de risco, como as bolsas, mas foi insuficiente para dar um forte "gás" à BM&FBovespa. Pressionada pelo comportamento errático e volátil de Petrobras - assim como pela realização de lucros nos bancos -, o Índice Bovespa (Ibovespa) teve uma ligeira evolução. Mas suficiente para estacionar nos 53 mil pontos.

O Ibovespa terminou o dia com ganho de 0,29%, aos 53.149,62 pontos. Na mínima, registrou 52.739 pontos (-0,49%) e, na máxima, 53.301 pontos (+0,57%). Na semana, registrou alta de 0,57%. No mês, acumula +1,55% e, no ano, perda de 12,80%. O giro financeiro totalizou R$ 5,115 bilhões. Os dados são preliminares.

A expectativa de uma solução para a elevação do teto da dívida dos EUA continua a pautar os negócios nos mercados. Ganhou ares otimistas em razão de encontros do presidente do país, Barack Obama, com líderes republicanos. Os senadores que estiveram na reunião saíram animados, apesar de terem dito que um acordo para elevar o teto da dívida e reabrir o governo ainda está distante.

Em Wall Street, o Dow Jones subiu 0,73%, aos 15.237,11 pontos, o S&P avançou 0,63%, aos 1.703,19 pontos, e o Nasdaq teve evolução de 0,83%, aos 3.791,87 pontos. Na semana, os índices acumularam, respectivamente, +1,09%, +0,75% e -0,42%. O único indicador divulgado no país ajudou a manter a alta das ações. O índice de sentimento do consumidor medido pela Reuters/Universidade de Michigan preliminar de outubro caiu a 75,2 - o nível mais baixo desde janeiro -, de 77,5 no fim de setembro, mas superou a previsão de 75,0.

A BM&FBovespa também acompanhou o mercado externo, mas foi penalizada pelas ações da Petrobras. Profissionais consultados citaram que muitos investidores fizeram operação-índice com os papéis, uma vez que na próxima semana haverá o exercício de Ibovespa futuro. "Como a ação está meio morta, foi escolha", disse.

Petrobras ON fechou em baixa de 0,12% e a PN, de 0,28%. Isso impediu que o Ibovespa subisse muito, da mesma forma que as ações dos bancos, em queda, também pressionaram. Neste caso, os investidores embolsaram os ganhos recentes e foram às vendas. Bradesco PN recuou 0,32%, Itaú Unibanco PN, -0,96%, e BB ON, -0,45%. Santander unit virou no final e subiu 0,46%. Vale ON ficou 0,96% mais cara, enquanto Vale PNA teve expansão de 1,51%.

Tudo o que sabemos sobre:
Bovespa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.