IGP-DI sobe 0,16% e fecha maio em alta

Índice foi empurrado pelo INCC-DI, que dobrou em maio frente o mês anterior

Agencia Estado

12 de junho de 2007 | 06h31

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) de maio subiu 0,16% ante alta de 0,14% em abril, segundo informou nesta quarta-feira, 6, o a Fundação Getúlio Vargas (FGV). A taxa ficou perto do teto das estimativas dos analistas do mercado financeiro, que esperavam um resultado entre -0,03% a 0,18%, e acima da mediana das expectativas (0,08%).

A FGV informou ainda os resultados dos três indicadores que compõem o IGP-DI de maio. O Índice de Preços por Atacado - Disponibilidade Interna (IPA-DI), que representa 60% do total do IGP-DI, teve deflação de 0,04% em maio, ante elevação de 0,02% em abril.

Os preços dos produtos agrícolas no atacado tiveram deflação de 1,94% em maio, ante queda de 2,44% em abril, no âmbito do IGP-DI. A informação foi divulgada há pouco pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), que anunciou há pouco o resultado do indicador referente a maio.

Até maio, o IPA-DI acumula altas de 0,61% no ano e de 4,76% em 12 meses, segundo informou a FGV. De acordo com a instituição, os preços dos produtos agrícolas no atacado acumulam queda de 2,44% no ano, mas registram elevação de 9,13% em 12 meses até maio.

Ao comentar o cenário da inflação no mês de maio, a FGV também revelou a análise de preços por produtos. No mês passado, as altas de preço mais expressivas, no atacado, foram registradas em leite in natura (8,24%); óleos combustíveis (4,37%); e querosene para motores (5,01%). Já as mais expressivas quedas de preço, no atacado em maio, foram registradas nos preços de cana-de-açúcar (-6,43%); laranja (-16,93%) e aves (-7,97%).

Varejo

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-DI), que tem participação de 30% no total do IGP-DI, apresentou alta de 0,25% em maio, ante avanço de 0,31% em abril.

No varejo, o IPC-DI acumulou aumentos de 2,08% no ano e de 3,12% em 12 meses até maio, segundo informou há pouco a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Hoje, a FGV anunciou o IGP-DI de maio - sendo que o IPC-DI representa 30% do total do IGP-DI.

Ao comentar sobre o cenário da inflação no varejo no mês passado, a FGV esclareceu que a desaceleração na taxa do IPC-DI, de abril para maio (de 0,31% para 0,25%) foi influenciada por quedas e elevações de preços menos intensas em três classes de despesa, de abril para maio: transportes (de 0,40% para -0,04%); vestuário (de 0,92% para 0,36%); e educação, leitura e recreação (de -0,01% para -0,12%).

Das sete classes de despesa usadas para cálculo do índice, cinco registraram aumento de preços mais fraco ou deflação, no mesmo período. Além dos três já citados é o caso de alimentação (de 0,01% para -0,01%); e despesas diversas (de 0,54% para 0,49%). As duas classes de despesa restantes apresentaram aceleração de preços, de abril para maio. É o caso de saúde e cuidados pessoais (de 0,57% para 0,71%); e habitação (de 0,40% para 0,49%).

Na análise feita pela FGV sobre os produtos do varejo, as altas de preço mais expressivas em maio foram registradas leite tipo longa vida (8,29%); batata-inglesa (11,41%); e cebola (24,05%). Já as mais expressivas quedas de preço foram apuradas em tomate (-29,41%); mamão da amazônia - papaya (-13,27%) e cenoura (-15,38%).

Construção Civil

Já o Índice Nacional do Custo da Construção - Disponibilidade Interna (INCC-DI), que representa 10% do IGP-DI, subiu 1,15% em maio, ante elevação de 0,46% em abril.

Na construção civil, o INCC-DI acumula altas de 2,56% no ano e de 5,18% em 12 meses até maio.

Ao detalhar sobre a inflação no setor da construção em maio, a FGV informou que a aceleração na taxa do INCC-DI, de abril para maio (de 0,46% para 1,15%) foi influenciada por elevações de preços mais intensas nos segmentos de materiais e serviços (de 0,47% para 0,57%); e de mão-de-obra (de 0,44% para 1,81%), no mesmo período.

A FGV também revelou que, na análise por produtos, as altas de preço mais expressivas, na construção civil em maio, foram registradas ajudante especializado (1,77%); servente (1,80%) e pedreiro (1,85%). Já as mais expressivas quedas de preço foram apuradas em metais para instalações hidráulicas (-0,76%); tubos e conexões de PVC (-0,98%); e tapete vinílico/carpete (-0,34%).

Até maio, o IGP-DI acumula elevações de 1,18% no ano e de 4,38% em 12 meses. O período de coleta de preços para o IGP-DI de maio foi do dia 1º a 31 do mês passado.

Mais conteúdo sobre:
igp-dimaio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.