Iguatemi deve obter êxito, apesar de pendências judiciais

Gestores e operadores acreditam que o lançamento hoje de ações da Iguatemi Empresa de Shopping Centers na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) deve ser uma das mais bem-sucedidas deste ano, apesar das pendências judiciais que envolvem a companhia. Informações do mercado indicam que a demanda pelos papéis teria superado de duas a quatro vezes a oferta. Além disso, o preço deve sair na ponta mais alta das estimativas, a R$ 30. Mais compras de investidores domésticos têm sido uma característica das operações recentes. Administradores de ações contam que, até agora, houve pouca euforia com as ofertas, mas "o falatório" em torno da Iguatemi ganhou eco nas últimas semanas. "Pode ser que os coordenadores estejam elevando o tom nas conversas para atrair novos investidores, embora, pela percepção junto aos clientes, é fato que a procura maior sempre esteve realmente pela Iguatemi. Muitos deles guardaram recursos para apenas esta colocação", afirma um executivo. A atividade da Iguatemi é focada na criação, planejamento, desenvolvimento e administração de shoppings e de empreendimentos imobiliários que combinem áreas residenciais com projetos comerciais. O carro-chefe para atrair aplicadores é o shopping paulistano que carrega o mesmo nome da empresa. Muitos analistas consideram que a companhia se beneficia tanto do bom momento para a construção quanto das perspectivas de aumento do consumo, com as reduções da taxa básica de juros. O otimismo é tanto que informações contidas no prospecto da oferta passam despercebidas e parecem não preocupar os investidores. A empresa possui uma pendência judicial de R$ 95,4 milhões sobre cobrança de Imposto de Renda, CSLL, PIS e Cofins referente aos anos de 2000 a 2003. O valor pode ser relevante se comparado ao patrimônio da companhia, de R$ 266,055 milhões em setembro de 2006, ou em relação ao montante que será captado, de R$ 421,1 milhões pela média da faixa de preço sugerida. A empresa entrou com recurso e aguarda julgamento em primeira instância. Os valores envolvidos no processo superam 30% do patrimônio líquido "Nossos bens escriturados nas contas do ativo permanente poderão ser arrolados a qualquer momento pelas autoridades fiscais", informa o documento. Para advogados da empresa, as chances de perder o processo representam 48%. Outras pendências judiciais e administrativas também listadas no prospecto somam R$ 76,5 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.