Impressão é de que EUA já estão em recessão, diz Amorim

Para o diretor do WestLB, a incerteza maior é sobre quão profunda e duradoura será a recessão na economia americana

Luciana Xavier e Patricia Lara,

08 de fevereiro de 2008 | 17h01

Os mercados continuam mergulhados em incertezas e praticamente não restam mais dúvidas de que os Estados Unidos entrarão em recessão. A avaliação é do diretor executivo para mercados emergentes do banco WestLB, Ricardo Amorim. "A impressão que há é que já estamos em recessão", disse o economista, em entrevista ao AE Broadcast Ao Vivo, de Nova York. Ouça a entrevista.Segundo ele, os indicadores norte-americanos divulgados recentemente colaboraram para piorar o cenário. "A questão não é saber se os EUA vão entrar em recessão. A aposta é de quão profunda e severa será a recessão", avaliou. "Hoje os mercados estão precificando que a recessão será breve e modesta. Mas a incerteza nunca foi tão grande. Até o presidente o presidente do Banco Central Europeu (Jean-Claude Trichet) reconheceu que temos várias forças negativas fortes", acrescentou.Amorim espera que por um ou dois trimestres com crescimento negativo nos EUA e recuperação a partir do 3º trimestre, com PIB encerrando o ano entre 1% e 2%.Por conta das incertezas, Amorim acredita que a volatilidade nos mercados deve continuar. "Os mercados devem manter a tendência de baixa no curto prazo", comentou.EmergentesO economista observou, no entanto, que nos emergentes, como o Brasil, os fundamentos sólidos devem manter o descolamento financeiro no médio e longo prazo. Mesmo na Europa, Amorim vê desaceleração, mas não recessão. "Por ora, parece que a recessão será só nos EUA", afirmou. Amorim acredita que o Banco Central Europeu (BCE) deva voltar a cortar os juros em breve, mas descarta afrouxamento monetário na China. "Hoje, a chance de corte de juro na China beira zero. Uma parada parece o mais provável", disse. Por outro lado, Amorim não descarta um novo corte emergencial de juros nos EUA antes da reunião de 18 de março. "É improvável, mas possível".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.