InBev enfrenta paralisações em fábricas da Bélgica

A produção das cervejarias da InBev (maior cervejaria da Europa) na Bélgica está prejudicada por greves há dois dias, disseram representantes de sindicatos. Os funcionários interromperam os trabalhos nas unidades Jupille, Hoegaarden e Bellevue ontem e bloquearam o acesso a Leuven.Os manifestantes protestam contra a falta de progresso nas negociações com a equipe administrativa sobre cortes de custos, que deverão afetar 259 empregos. Eles querem que a companhia faça novas concessões nos pacotes de demissão e que melhore a compensação oferecida para aqueles que se transferem para outros lugares no país. "As negociações com a administração prosseguem", disse o representante sindical Hugo Coosemans à agência Dow Jones. "Se não obtivermos nenhum avanço, as greves vão continuar."Os funcionários da cervejaria Hoegaarden também fizeram greve na semana passada, em protesto contra as poucas alternativas de recolocação que foram propostas para quem irá perder seus empregos quando as operações na unidade foram transferidas para Jupille. A companhia está cortando centenas de empregos na Bélgica e Alemanha, onde os salários são altos, e abrindo novos centros administrativos na Hungria e República Checa. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

07 de junho de 2006 | 12h32

Tudo o que sabemos sobre:
empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.