Rolex Dela Pena/EFE
Rolex Dela Pena/EFE

Índia vai superar crescimento da China em 2016, diz FMI

Fundo prevê crescimento de 6,5% para a Índia no próximo ano, enquanto a China deve apresentar resultado de 6,3%

O Estado de S. Paulo

20 de janeiro de 2015 | 13h11

O Fundo Monetário Internacional (FMI) se tornou a mais recente instituição a prever que a Índia está prestes a superar a China e se tornar a economia que cresce mais rapidamente no mundo. Embora muitos países da Ásia devam ser prejudicados pela desaceleração chinesa, a Índia está menos exposta ao país vizinho e verá grandes ganhos líquidos gerados pela queda nos preços do petróleo e das commodities, afirmou o FMI em relatório sobre perspectivas econômicas mundiais.

As mudanças nas projeções do FMI significam que a taxa de crescimento da Índia vai superar a da China no próximo ano. A Índia deve crescer 6,5% e a China, 6,3%. O governo chinês informou nesta terça-feira, 20, que a economia do país teve expansão de 7,4% no ano passado. A Índia ainda vai anunciar seus dados, mas o Produto Interno Bruto (PIB) subiu 5,3% no terceiro trimestre de 2014, em base anual.

"O avanço mais lento da China terá importantes efeitos regionais, o que explica parcialmente as revisões para baixo no crescimento em muitos países emergentes da Ásia", diz o documento do FMI. "Na Índia, porém, a previsão de crescimento permaneceu amplamente inalterada, já que a demanda externa mais fraca é contrabalançada pelo aumento dos termos de comércio gerado pelos preços mais baixos do petróleo e por uma aceleração na atividade industrial e de investimento depois das reformas políticas", acrescenta.

Na semana passada o Banco Mundial havia previsto que o crescimento da Índia vai superar o da China em 2017. O Goldman Sachs, por sua vez, afirmou em dezembro que espera que isso aconteça em 2016. (Com informações da Dow Jones Newswires). 

Tudo o que sabemos sobre:
ÍndiaChinaFMIPIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.