Índice dólar cai à mínima em oito meses

Euro, por sua vez, renovou mais uma vez a máxima desde abril contra o dólar, atingindo US$ 1,3644 na máxima intraday

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

29 de setembro de 2010 | 10h16

O dólar opera pressionado nesta quarta-feira, com investidores focados na expectativa, que é tomada como quase certa, de que o Federal Reserve (Fed, banco central americano) irá adotar novas medidas para flexibilizar ainda mais a política monetária norte-americana.

 

O ICE Dollar Index, que reflete a cotação do dólar contra uma cesta de moedas mais negociadas, caiu para uma mínima em oito meses a 78.620. O euro, por sua vez, renovou mais uma vez a máxima desde abril contra o dólar, atingindo US$ 1,3644 na máxima intraday.

 

A perspectiva de mais flexibilização está levando investidores a antecipar a venda da moeda, considerando que a taxa de juro nos Estados Unidos permanecerá reduzida por um período maior do que o esperado.

 

"A discussão sobre maior flexibilização quantitativa nos EUA parece ter se descolando do 'quando' para o 'como' o Fed agirá", disse o estrategista de moeda do Standard Bank, Steve Barrow. A chamada flexibilização quantitativa é uma estratégia que se centra na criação de dinheiro novo para a compra de bônus ou outros ativos pelo governo.

 

Barrow observa ainda que a pressão sobre o dólar, em consequência da expectativa do afrouxamento da política monetária nos EUA, está provocando apreciação excessiva para algumas moedas, citando o dólar australiano, que avançou até uma máxima em dois anos contra o dólar norte-americano.

 

A diretora de pesquisa do Forex.com, Kathleen Brooks, disse, ao site financeiro aberto MarketWatch, que a questão da "guerra cambial" deve dominar as discussões nos próximos meses uma vez que o Fed, o Banco da Inglaterra e o Japão devem anunciar políticas monetárias ou relacionadas ao câmbio que podem resultar em queda no valor de suas moedas.

 

Às 9h49 (de Brasília), o euro subia para US$ 1,3627, de US$ 1,3590 no fim da tarde ontem em Nova York. O dólar caía para 83,62 ienes, de 83,89 ienes ontem. A apreciação do iene mantém os investidores atentos a possibilidade de o Banco do Japão intervir no mercado, mas poucos acreditam que a autoridade monetária faça algo antes da próxima reunião de política monetária, de 4 e 5 de outubro.

 

O euro, por sua vez, foi sustentado pelo número de sentimento das empresas na zona do euro da Comissão Europeia, que subi para 103,2 em setembro, superando a previsão dos economistas de 101,5. As informações são da Dow Jones

e das agências internacionais.

Tudo o que sabemos sobre:
dólareuroFedFederal Reserve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.