Índice Dow Jones volta a acumular perdas no ano

O índice Dow Jones voltou a ficar negativo no ano, depois de ter retornado ao território positivo na sexta-feira. O volume negociado foi relativamente baixo, refletindo a cautela antes do depoimento do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA), Ben Bernanke, amanhã de manhã ao Congresso norte-americano e da divulgação, na sexta-feira, do índice de preços dos gastos com consumo pessoal (PCE) de fevereiro, o indicador de inflação mais monitorado pelo Fed. O Dow Jones caiu 71,18 pontos, ou 0,58%, para 12.397,29 pontos e 25 de seus 30 componentes terminaram em baixa. Há pouco mais de um mês, antes de 27 de fevereiro, quando a queda de 9% da Bolsa de Xangai desencadeou um declínio dos mercados globais, o Dow Jones estava em seu pico para 2007, acumulando alta de 2,6%. O Nasdaq caiu 18,20, ou 0,75%, para 2.437,43 pontos. O Standard & Poor´s 500 recuou 8,89 pontos, ou 0,62%, para 1.428,61 pontos. Vários componentes do Dow Jones tiveram queda forte, como American Express (-1,3%), Dupont (-3%) e Home Depot (-1,5%). Microsoft, listada no Dow Jones e no Nasdaq, caiu US$ 0,50, ou 1,8%, para US$ 27,72. Os investidores se decepcionaram com a decisão da gigante de software de pagar dividendo de US$ 0,10 por ação no próximo trimestre, ou seja, sem dar qualquer aumento em relação ao dividendo pago nos dois últimos trimestres. O mercado amplo, por sua vez, se decepcionou com o declínio da confiança dos consumidores na economia norte-americana e com as novas notícias negativas sobre o setor de imóveis. O índice de confiança dos consumidores apurado pelo Conference Board caiu para 107,2 em março, seu menor nível desde novembro, ficando abaixo dos 108 esperados pelo mercado. Os índices de preços dos imóveis residenciais S&P/Case-Schiller foram para o território negativo em janeiro; enquanto o índice que reflete o retorno anual dos preços em 10 cidades norte-americanas caiu ao menor patamar (negativo) desde 1994. O volume negociado na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse) caiu para 1,38 bilhão de ações, de 1,47 bilhão ontem, e o número de ações em queda (2.286) superou as ações em alta (1.011). As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.