Índice levanta dúvidas sobre juro nos EUA e bolsas caem

Os mercados acionários norte-americanos operam em queda, com os investidores tentando avaliar se o esfriamento da economia norte-americana será ameno ou severo. O dado apontando crescimento forte das vendas do varejo respaldava as análises de que a desaceleração não será extrema, mas não ajudava a dar suporte para os preços das ações, já que reforçou a possibilidade de uma nova rodada de aperto monetário nos Estados Unidos. Às O Dow Jones cedia 0,29% e o Nasdaq, 0,49%, às 12h07. As vendas no varejo subiram 1,4% em julho nos EUA, a maior aceleração em seis meses. A previsão era aumento de 0,9%. O preço das importações avançou 0,9% no mês passado. Dependendo da previsão utilizada, o aumento pode ter superado o estimado. Os analistas ouvidos pela Bloomberg e pelo website MarketWatch esperavam elevação de 0,8% no preço das importações em julho; a agência Dow Jones divulgou ontem previsão de alta de 0,9%; e nesta manhã, projeção de aumento de 1%. Os dados levaram os contratos futuros dos Federal Funds a embutir chance maior de o banco central americano elevar a taxa de juro em 0,25 ponto porcentual, para 5,5% ao ano, na reunião de política monetária de do mês que vem. Os Fed Funds de setembro ampliaram de 25% para 37% a chance de ocorrer um aumento da taxa no dia 20 de setembro. "O mercado conseguiu, de uma forma bem sucedida olhar além do terrorismo e se focar nos fundamentos", comentou o estrategista-chefe de mercado da Jefferies & Co, Art Hogan. As vendas do varejo representam um terço da demanda final nos EUA e a sustentabilidade do consumo tem sido uma grande interrogação para os analistas. As ações da Apple cediam 1,1%, para US$ 63,35. A empresa informou que vai atrasar a divulgação do lucro do terceiro trimestre, em razão da necessidade de recalcular o lucro para considerar as despesas relacionadas a opções. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.