Índices futuros apontam para abertura com altas em NY

As bolsas norte-americanas devem iniciar o pregão de hoje em alta, apontam os índices futuros. Os números do mercado de trabalho dos Estados Unidos voltaram a decepcionar e, assim como em dezembro, janeiro teve criação de vagas menor que o previsto, o que provocou volatilidade nos índices nesta sexta-feira em Wall Street. Às 12h20 (de Brasília), o Dow Jones futuro subia 0,41%, o Nasdaq ganhava 0,71% e o S&P 500 avançava 0,61%.

ALTAMIRO SILVA JÚNIOR, CORRESPONDENTE, Agencia Estado

07 de fevereiro de 2014 | 12h37

O relatório de emprego (payroll) mostrou a criação de 113 mil postos de trabalho em janeiro. A expectativa de Wall Street era de criação de 189 mil. A taxa de desemprego caiu para 6,6%, dentro do esperado.

A expectativa dos economistas para os números de hoje era grande, para ver o impacto do inverno nas estatísticas. A visão inicial da diretora do Departamento de Análises Macroeconômicas da diretora do Conference Board, Kathy Bostjancic, é que os números menores que o previsto podem levantar dúvidas sobre o desempenho do mercado de trabalho, mas não dá ainda para dizer que o relatório sinaliza uma tendência de mercado mais fraco. Para ela, houve um impacto parcial do frio nos números. "Esperamos que o retorno para condições mais normais de temperatura vá permitir que o emprego volte a níveis anteriores (a dezembro)", afirmou.

O inverno rigoroso também foi comentado pelo presidente do Federal Reserve de Dalas, Richard Fisher, que vota este ano nas reuniões de política monetária, em uma entrevista ao canal CNBC nesta sexta, pouco antes do anúncio do payroll. Para ele, o frio intenso afetou a economia em dezembro e janeiro e "congelou" o consumidor.

Além dos dados do mercado de trabalho, nesta sexta-feira termina o prazo oficial da suspensão do teto da dívida. A data foi estabelecida no acordo no Congresso em outubro, que encerrou a paralisação de 16 dias do governo norte-americano. O Tesouro já avisou que pode ter problemas para pagar as dívidas dos EUA se o limite de endividamento não for elevado até o fim deste mês, quando as medidas extraordinárias do Tesouro se esgotarão. Com o prazo terminando, os economistas acreditam que o assunto pode voltar a ter impactos no mercado financeiro. "As consequências econômicas de um default ou de um outro confronto no Congresso que ameace um calote podem ser severas", escreve o Peterson Institute for International Economics, um centro de estudos políticos e econômicos de Washington.

No noticiário corporativo, a agenda de divulgação de resultados dá uma esfriada hoje e a expectativa é como vão reagir as ações do Twitter ao longo do dia. Ontem, elas despencaram 24% depois de a rede social divulgar crescimento abaixo do esperado no número de usuários. No pré-mercado, o papel subia 1,74%. Outra rede social, o LinkedIn, também operava em queda, após divulgar projeções de vendas abaixo do previsto. O papel caia 5,93%.

Já a ação da Apple subia 1,62% no pré-mercado. Em uma entrevista ao The Wall Street Journal, o presidente da empresa, Tim Crook, disse que desde que o balanço trimestral foi divulgado, há duas semanas e com resultados decepcionantes, a empresa já recomprou US$ 14 bilhões em suas ações.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas de valores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.