Indonésia anuncia medidas de estímulo à economia

A Indonésia anunciou nesta sexta-feira novas medidas para impulsionar a economia do país depois de uma onda de perdas nos mercados financeiros do país e da tendência de desvalorização da moeda indonésia. A ação do governo também representa uma resposta às preocupações dos investidores sobre a deterioração dos fundamentos econômicos do país.

AE, Agencia Estado

23 de agosto de 2013 | 04h49

O governo anunciou que concederá isenção fiscal para empresas que empregam um grande número de trabalhadores, incluindo as empresas dos setores de vestuário, têxteis e fabricantes de brinquedos que exportam pelo menos 30% de sua produção. As informações foram dadas pelo ministro de Economia indonésio,Hatta Rajasa que fez as declarações após uma reunião com o presidente do país, Susilo Bambang Yudhoyono. O ministro, porém não detalhou o momento e a dimensão dos benefícios fiscais que serão aplicados. "Todas estas medidas serão tomadas para reduzir o déficit em conta corrente e para manter o ritmo de crescimento econômico", afirmou Rajasa.

Para enfrentar um déficit em conta corrente elevado, o governo vai eliminar gradualmente um imposto sobre determinados produtos de luxo fabricados localmente para reduzir as importações. Por outro lado, o governo vai aumentar os impostos sobre importados de luxo, como carros, acrescentou o ministro.

O governo, que é criticado internacionalmente por adotar políticas que sugerem um nacionalismo econômico, abrirá mais a indústria nacional para receber investimentos estrangeiros.

As mudanças acontecem em um momento em que os investidores estão retirando seu dinheiro de mercados emergentes, antecipando os possíveis reflexos de uma redução do programa de estímulos à economia norte-americana pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA).

O ministro de Finanças Chatib Basri disse que o governo vai suspender "temporariamente" os impostos sobre as exportações de minério. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
indonésiamedidasestímulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.