Inflação menor não neutraliza alta na projeção dos juros

O mercado de juros começou a sexta-feira com o pé na cautela e com a taxa do contrato futuro de DI (depósito interfinanceiro) com vencimento em janeiro de 2008 abrindo uma enorme diferença ante o fechamento de ontem. Este vencimento é o mais negociado no pregão de DI futuro da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) e projetava taxa de 14,80% às 10h15, depois de ter chegado a 14,82% na máxima, nas negociações do pregão eletrônico GTS, mais cedo. Ontem a taxa havia fechado a 14,68%. Os juros, como de resto todo o mercado financeiro doméstico, têm sofrido influência direta do cenário externo, no qual se solidificam as apostas de que o banco central dos EUA promoverá mais duas altas nos juros norte-americanos, com a taxa chegando a 5% em maio. Hoje serão divulgados dois indicadores importantes nos EUA, venda de imóveis novos (às 12 horas) e encomendas de bens duráveis (10h30), ambos de fevereiro. Esses indicadores mostram o ritmo da atividade econômica do país e pesam no momento de o BC americano decidir o nível adequado dos juros básicos. O mercado doméstico tenta se proteger de eventuais dados ruins, que possam potencializar o movimento dos mercados externos. Os juros dos títulos do Tesouro norte-americano estão em leve alta esta manhã. No front interno, o sai-não-sai do ministro Antonio Palocci (Fazenda) contribui com a cautela e está pesando mais nesta sexta-feira, com nomes de eventuais substitutos freqüentando abertamente o noticiário da imprensa. Palocci fará hoje sua primeira aparição pública desde o depoimento do caseiro Francenildo Costa, na semana passada. O ministro deve participar da solenidade de posse do conselho da Câmara Americana de Comércio (AmCham), em São Paulo, às 11h30. O índice de inflação IPCA-15 de março, divulgado pelo IBGE esta manhã, ficou exatamente na mediana das previsões do mercado (0,37%). Os núcleos também vieram dentro do esperado. Não foi capaz, entretanto, de neutralizar o clima de cautela e permitir o recuo dos juros futuros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.