Inflação puxa queda nas vendas dos supermercados em fevereiro

Os segmentos de móveis e eletrodomésticos e combustíveis também pesaram para o desempenho do comércio

Daniela Amorim, da Agência Estado,

11 de abril de 2013 | 09h28

Os aumentos de preços que vêm pressionando a inflação estão por trás também da queda nas vendas do comércio varejista, que recuou 0,2% em fevereiro ante mesmo mês de 2012. As três atividades que puxaram para baixo o resultado do volume vendido no varejo em fevereiro tiveram impacto do encarecimento dos produtos comercializados, segundo Aleciana Gusmão, técnica da Coordenação de Serviços e Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As vendas nos supermercados e hipermercados, por exemplo, recuaram 2,1% em fevereiro ante o mesmo mês de 2012, a primeira queda desse indicador desde março de 2009.

As três maiores contribuições para a redução nas vendas do varejo, considerando o peso na formação do indicador, foram da atividade de supermercados (-1,0 ponto porcentual), móveis e eletrodomésticos (-0,1 ponto porcentual) e combustíveis e lubrificantes (-0,1 ponto porcentual). "A demanda está diminuindo porque o preço está subindo", contou a técnica do IBGE. "É o efeito da inflação se sobrepondo sobre o efeito renda", acrescentou.

Aleciana ressaltou que os preços da alimentação no domicílio acumularam uma alta de 13,9% nos 12 meses terminados em fevereiro, de acordo com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), sendo que, nos 12 meses até janeiro, essa taxa havia ficado em 12%. Aleciana lembra que houve efeito de uma base de comparação elevada, já que o reajuste maior no salário mínimo no mesmo período do ano passado tinha elevado as vendas em 13,3%.

Se por um lado a inflação de alimentos se agravou, prejudicando o setor de supermercados, o impacto dos preços foi ainda mais sentido no setor de combustíveis. No acumulado em 12 meses até fevereiro, o aumento nos combustíveis foi de 4,72%. No entanto, a variação nos preços dos combustíveis foi de 3,6% apenas no mês de fevereiro. "Só este ano a gente já teve dois reajustes de combustíveis", disse a técnica do IBGE.

O coordenador de Serviços e Comércio do IBGE, Reinaldo Pereira, lembrou ainda que o aumento de combustíveis também tem impacto na atividade de supermercados, à medida que torna o frete mais caro. "Por causa do aumento dos combustíveis, o frete ficou mais caro e tem impacto no preço dos alimentos. Os fretes já estão até 50% mais caros", disse Pereira, lembrando também de uma alteração na lei que regula a jornada de caminhoneiros, que agora são obrigados a descansar entre as jornadas de trabalho.

"Você vê que é a inflação que está afetando o volume (de vendas no varejo), principalmente em supermercados, que jogaram o resultado para baixo, por causa do peso que tem na pesquisa", apontou o coordenador do IBGE. O peso da atividade de supermercados na Pesquisa Mensal de Comércio é de aproximadamente 50%.

No caso de móveis e eletrodomésticos, outra atividade que registrou recuo nas vendas em fevereiro, há influência da recomposição da alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), que também aumentou os preços dos produtos. O segmento, que teve recuo de 1,0% nas vendas em fevereiro ante fevereiro de 2012, registrou o primeiro resultado negativo desde junho de 2009 (-1,0%).

Tudo o que sabemos sobre:
varejovendasIBGEfevereiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.