Infraero conclui modernização de esteiras de Congonhas

A empresa destaca a importância da instalação de três novos carrosséis de triagem de bagagens despachadas

AYR ALISKI, Agência Estado

22 de julho de 2014 | 14h53

A substituição de todas as esteiras (coletoras, de transição, balanças e injetoras) da área de check-in do aeroporto de Congonhas, em São Paulo, foi concluída, informa a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). Esse projeto recebeu investimento de R$ 2,3 milhões.

O trabalho envolveu a instalação de 39 esteiras de balança, 39 esteiras injetoras, três balanças de piso, 33 esteiras transportadoras de bagagens (187 metros lineares), além de três carrosséis de triagem de bagagens despachadas (114 metros lineares). A instalação dos novos equipamentos foi concluída no dia 14 de julho, relata a Infraero.

A empresa destaca a importância da instalação de três novos carrosséis de triagem de bagagens despachadas. Antes, havia apenas um carrossel (que foi substituído) e que atendia a uma só companhia aérea. Os três novos carrosséis suprirão a demanda de todas as empresas que operam no terminal.

"Com as novas esteiras, vamos modernizar e automatizar os equipamentos, aprimorando os processos operacionais, refletindo no ganho de produtividade no atendimento ao passageiro", disse o superintendente da Regional São Paulo, Willer Larry Furtado.

A Infraero explica a função dos equipamentos que formam o sistema, começando pelas balanças (que pesam a bagagem que será despachada). As esteiras injetoras ligam a esteira de balança à de transição. A esteira de transição (ou de ligação) conduz as bagagens à esteira coletora. Esta transporta as bagagens despachadas aos carrosséis de check-out, onde as bagagens passam por uma triagem e são encaminhadas aos aviões.

Tudo o que sabemos sobre:
InfraeroesteirasCongonhas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.