Investidor interno pede mais juros

O leilão de títulos do Tesouro Nacional realizado ontem mostrou que os papéis prediletos do investidor brasileiro, as Letras do Tesouro Nacional (LTNs) saíram com taxas de juros maiores do que as verificadas no leilão da semana passada. Ao mesmo tempo, os títulos favoritos dos investidores externos devido ao seu prazo mais longo, as Notas do Tesouro Nacional série B (NTN-B), pagaram a mesma remuneração idêntica a observada na semana passada. As NTN-B, que pagam correção pelo IPCA, saíram com taxa de juro a 9,9% para os títulos com vencimento em 15 de maio de 2009; de 9,87% para vencimento em 15 de agosto de 2010; de 9,7% para resgate em 15 de maio de 2011; de 8,4% para título com vencimento em 15 de maio de 2015; e de 8% para os papéis com vencimento em 15 de agosto de 2024, 15 de maio de 2035 e 15 de maio de 2045. Já as LTNs, que são prefixadas, pagaram 14,99% para o vencimento em 1 de janeiro de 2007 (na semana passada o papel saiu com taxa máxima de 14,92%); 14,952% para o título com resgate em 1 de outubro de 2007 (a taxa foi de 14,49% na semana passada); e de 14,934% para 1 de julho de 2008 (ante 14,79 do leilão da semana passada). Segundo apurou a jornalista Lucinda Pinto, havia expectativa de que a demanda para as NTN-B caísse ontem e o fato de o leilão ter sido bem-sucedido favoreceu o bom humor do mercado de juros como um todo. A exceção teria ficado por conta da venda de NTN-F porque o governo aceitou uma taxa muito acima da esperada. O título com vencimento em 1 de janeiro de 2010 saiu com taxa máxima de 15,28% e os papéis para 1 de janeiro de 2012 à 15,27%. (Com informações do serviço de notícias e cotações em tempo real AE News, da Agência Estado)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.