Wilton Junior|Estadão
Wilton Junior|Estadão

Em dia de votação do impeachment no Senado, Bolsa e dólar fecham em leve baixa

Cauteloso, mercado aguarda resultado que pode afastar a presidente Dilma Rousseff por 180 dias; Bolsa foi impactada com piora no cenário externo

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

11 de maio de 2016 | 12h40

SÃO PAULO -No dia em que o Senado Federal decide sobre o impeachment da presidente Dilma Rousseff, o dólar fechou em baixa de 0,61%, cotado a R$ 3,4474 no mercado à vista. A expectativa pelo afastamento da presidente, que deve ser confirmado entre a noite desta quarta-feira e a manhã de quinta-feira, fez investidores continuarem a vender a divisa americana. Já no mercado de ações, os investidores se concentraram mais no cenário internacional e a Bovespa fechou em baixa de 0,58%, aos 52.764,46 pontos.

A queda do dólar aconteceu apesar de o Banco Central ter feito durante o dia três leilões de swap cambial reverso, retirando dólares do sistema. Nessas operações, o BC vendeu 47.970 contratos, que corresponderam a US$ 2,4 bilhões. Na abertura, o dólar chegou a subir ante o real, atingindo a máxima de R$ 3,4804 (+0,34%) às 9h02, com a expectativa do primeiro leilão.

A moeda americana acabou migrando para o negativo no decorrer da manhã, com os players se apegando ao impeachment. No exterior, o dólar também cedia ante várias divisas, o que favorecia o movimento no Brasil. Foi quando o BC convocou outro leilão de swap reverso, que manteve a cotação em alta por um curto período. O terceiro leilão foi feito no período da tarde, sem conseguir conter a queda com que o dólar operava.

Na Bovespa, o pregão foi considerado tranquilo, com os investidores também convictos do avanço do processo de impeachment no Senado. A queda foi atribuída principalmente às bolsas americanas, que renovaram diversas mínimas ao longo da tarde. Pela manhã, o Ibovespa chegou a subir 1,71%, ainda embalado pela alta de 4,08% da véspera, antes de sucumbir às baixas em Nova York.

Segundo operadores do segmento de renda variável, a notícia de maior destaque foi a decisão do ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), de rejeitar a ação do governo que pedia a anulação do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Uma vez que a decisão já era esperada, a Bovespa teve uma reação pontual, aumentando por alguns minutos a alta com que operava até então.

Os preços do petróleo se sustentaram em alta durante o dia, embora com alguma volatilidade. Os contratos futuros subiram depois que o Departamento de Energia (DoE) dos EUA informar uma inesperada redução nos estoques da commodity no país. O WTI para junho subiu 3,52% na Nymex. O Brent para julho avançou 4,57% na Ice. As ações da Petrobras fecharam com alta de 0,47% (ON) e de 0,39% (PN) e limitaram a queda do Ibovespa.

Em dia de alta do minério de ferro, as ações da Vale tiveram comportamento misto. Enquanto Vale ON subiu 0,44%, Vale PNA caiu 0,84%. Entre as maiores quedas do Ibovespa ficaram CSN ON (-4,97%) e Pão de Açúcar PN (-4,95%), que divulgou resultado trimestral considerado fraco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.