Investidores vendem ações e bolsas da Europa caem

Após serem impulsionadas, na terça-feira, 22, pelas expectativas de que o Federal Reserve vai manter os estímulos à economia dos EUA por mais algum tempo, as bolsas europeias são pressionadas nesta quarta-feira, 23, pela realização de lucros. Além disso, balanços corporativos fracos e o anúncio de que o Banco Central Europeu (BCE) fará testes de estresse com os bancos da região a partir de novembro contribuem para as quedas das ações.

Agencia Estado

23 de outubro de 2013 | 08h17

Os dados sobre o mercado de trabalho dos EUA divulgados ontem, que mostraram que foram criados menos empregos do que o previsto no país em setembro, alimentaram as expectativas de que o Fed continuará injetando capital na economia por meio das compras de bônus durante o restante deste ano, o que deu força às principais bolsas internacionais. No entanto, surgiram novas leituras dos dados e as preocupações com a fragilidade da economia norte-americana prevalecem hoje.

O setor bancário da Europa tem um dos piores desempenhos nas bolsas locais nesta manhã. O BCE anunciou que vai iniciar uma ampla análise dos balanços patrimoniais de 130 instituições financeiras da zona do euro em novembro, para tentar descobrir potenciais riscos antes da implementação de uma união bancária na região. Como parte da avaliação, o BCE pedirá que os bancos separem 8,0% do capital ajustado pelo risco como proteção contra prejuízos com empréstimos e outros itens de seus balanços.

No noticiário corporativo, a cervejaria holandesa Heineken informou que seu lucro caiu 15% no terceiro trimestre e reduziu suas projeções de ganhos neste ano para refletir a fraqueza nos mercados do centro e do leste da Europa, bem como em alguns mercados em desenvolvimento. A franco-italiana STMicroelectronics, maior fabricante de semicondutores da Europa em receita, também decepcionou ao anunciar queda de 5,4% nas vendas em comparação com o terceiro trimestre de 2012, embora seu prejuízo tenha diminuído.

Às 7h43 (pelo horário de Brasília), Heineken caía 5,44% na Bolsa de Amsterdã e STMicro perdia 6,66% em Milão. Entre as ações do setor bancário, destaque para a queda de 2,73% do Royal Bank of Scotland e de 2,70% do Santander. Enquanto isso, Londres tinha baixa de 0,47%, Frankfurt caía 0,41%, Paris cedia 0,78%, Milão recuava 1,40% e Madri tinha o pior desempenho, com -1,92%.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas de valoresEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.