Iraque não muda, e petróleo fecha em queda leve

Os futuros de petróleo fecharam em baixa moderada na New York Mercantile Exchange (Nymex), depois de recuperarem parte das acentuadas perdas desencadeadas pela notícia sobre a morte do líder terrorista Abu Musab al-Zarqawi no Iraque, segundo analistas. Zarqawi, que era considerado por Washington como o líder da campanha de violência no Iraque, foi morto num ataque aéreo dos EUA no norte de Bagdá. A notícia, que o presidente dos EUA George W. Bush saudou como uma vitória na guerra contra o terror, levou os preços dos futuros de petróleo a caírem quase US$ 2,00 o barril na mínima do dia. A virada dos preços no final do sessão refletiu a avaliação de parte dos operadores de que a morte de Zarqawi fará pouco para conter a onda de violência no Iraque ou ressuscitar a combalida indústria de petróleo iraquiana. O analista independente de petróleo Lowell Feld, em Arlington (Virgínia), disse que a queda inicial dos preços do petróleo foi uma reação imediata à morte de Zarqawi. "No final do dia, operadores se deram conta de que isso não vai encerrar a violência", disse Feld. "Na verdade, houve uma bomba em Bagdá hoje. A questão é se isso vai realmente levar a um aumento nas exportações de petróleo do Iraque, e quando você começa a pensar sobre isso, você se dá conta que não", acrescentou. Na Nymex, os contratos de petróleo para julho fecharam a US$ 70,35 o barril, queda de US$ 0,47 (0,66%). A mínima foi de US$ 69,10 e a máxima de US$ 70,45. Em Londres, no sistema eletrônico da ICE Futures, os contratos de petróleo Brent para julho fecharam a US$ 69,05 o barril, queda de US$ 0,14. A mínima foi de US$ 67,73 e a máxima de US$ 69,20. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.