Israel e Palestina entram em acordo para desbloquear transferência de impostos

O presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, disse neste sábado que ele chegou a um acordo com Israel para desbloquear a transferência mensal de receitas fiscais, que estavam congeladas há quatro meses.

Estadão Conteúdo

18 de abril de 2015 | 11h57

Abbas havia rejeitado inicialmente o descongelamento dos fundos fiscais de Israel, pois

incluía uma dedução para liquidar dívidas contraídas pelo seu governo. "Houve um acordo e o dinheiro será enviado por completo", disse Abbas a um grupo de líderes palestinos.

Israel normalmente cobra impostos e taxas de palestinos que estão nos territórios capturados por Israel e, em seguida, transfere os montantes a Abbas. O valor é responsável por 70% da receita do governo palestino.

Israel congelou as transferências de impostos em janeiro como punição, após os palestinos solicitaram a entrada no Tribunal Penal Internacional, um passo que poderia abrir o caminho para possíveis acusações de crimes de guerra cometidos por Israel.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, anunciou após sua reeleição no último mês, que as transferências seriam retomadas como um gesto humanitário. Autoridades palestinas disseram que Israel deve cerca de US$ 450 milhões em fundos congelados, mas que Israel exigiu que este dinheiro seja utilizado para quitar dívidas que a Palestina tem com o país.

Israel disse que os palestinos acumularam dívidas de US$ 510 milhões com a empresa de energia e que mesmo assim continuou a fornecer eletricidade à população palestina. Fonte: Associated Press

Mais conteúdo sobre:
IsraelPalestinaimpostos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.