Itália vende € 8,285 bi em bônus com taxa de retorno levemente mais baixa

Demanda também diminuiu, embora tenha sido considerável em meio às preocupações com a crise da Grécia e depois de a perspectiva do rating do governo italiano ter sido rebaixada para negativa, no último dia 20

Danielle Chaves, da Agência Estado,

30 de maio de 2011 | 08h22

A Itália pagou yield (retorno ao investidor) levemente mais baixo do que há um mês para vender bônus convencionais em um leilão realizado hoje. No entanto a demanda diminuiu, embora tenha sido considerável em meio às preocupações com a crise da Grécia e depois de a perspectiva do rating da Itália ter sido rebaixada para negativa, no dia 20.

O governo italiano vendeu um total de 8,285 bilhões de euros em bônus com vencimento em abril de 2014, bônus com vencimento em setembro de 2021 e bônus com vencimento em abril de 2018. O montante vendido ficou perto do teto da faixa total pretendida, que ia de 6 bilhões de euros a 8,5 bilhões de euros.

Os papéis de três anos tiveram yield de 3,43%, pouco abaixo dos 3,45% oferecidos no leilão de 28 de abril, enquanto os papéis de 10 anos tiveram yield de 4,73%, em comparação com 4,84% no leilão anterior. O yield dos bônus para 2018 subiu para 3,00%, de 2,89% anteriormente.

Observadores do mercado afirmaram ante do leilão que generosas concessões de preços oferecidas nos títulos italianos dariam suporte para a demanda. Mas isso aconteceu apenas em parte. Os bônus de três anos foram vendidos com uma relação entre ofertas feitas e aceitas (bid-to-cover) de 1,34, em comparação com 1,58 anteriormente, enquanto os papéis de 10 anos tiveram taxa de 1,50, ante 1,41 em abril.

O feriado no Reino Unido e a ausência de vencimentos de dívida na zona do euro esta semana também podem ter colaborado para a redução da demanda. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.