Japão não precisa de mais estímulo econômico, diz Honda

Embora a economia do Japão tenha recuado no terceiro trimestre e decepcionado o mercado, o país não precisa de mais estímulos monetários, disse o economista Etsuro Honda, um dos principais conselheiros do primeiro-ministro Shinzo Abe.

ANDRÉ ÍTALO ROCHA, COM INFORMAÇÕES DA DOW JONES NEWSWIRES, Estadão Conteúdo

18 de novembro de 2014 | 04h56

Na segunda-feira, o governo japonês informou que o Produto Interno Bruto (PIB) caiu 1,6% no período de julho a setembro deste ano em comparação com igual intervalo do ano passado. O resultado foi considerado uma surpresa, já que os analistas esperavam uma expansão de 2,25%. Por ter sido o segundo trimestre seguido em que o país apresentou recuo, já se pode falar em recessão técnica.

Apesar disso, Honda não vê motivos para mais medidas de relaxamento monetário. Na sua avaliação, o que deve ser feito é adiar para abril de 2017 o próximo aumento de imposto sobre vendas, por enquanto previsto para outubro de 2015.

Para ele, não há diferença nas formas como o banco central e o governo percebem a atual conjuntura econômica.

Tudo o que sabemos sobre:
JapãoHondaeconomiaestímulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.