Johnson & Johnson troca embalagens de PVC por papelão

A Johnson & Johnson vai trocar o plástico por papelão. A partir do próximo ano todas as embalagens dos produtos de higiene como xampus, desodorantes e óleos, atualmente feitas de PVC serão substituídas por outros materiais ecologicamente corretos.A medida faz parte de um eficaz programa de metas relacionadas ao meio ambiente, colocado em prática desde 1990. "Concluímos que o PVC deveria ser eliminado. Além de gastar mais energia e dispersar mais poluentes, o descarte, o pós-uso também causa alto impacto ao meio ambiente. Uma embalagem plástica pode demorar até 500 anos para se decompor", informou o diretor de assuntos ambientais da América Latina e Caribe, André Luiz Marinovic.Apesar do plástico ter vantagens quanto à manufatura e versatilidade, o papelão se desintegra em cinco anos. "Todas as pesquisas, realizadas no laboratório dos Estados Unidos, apontam que o plástico será substituído por celulose de papel". As mudanças serão mundiais, atingindo as companhias de 54 países.Desde 1991 a J&J foi considerada líder mundial em proteção ambiental e tem projetos ambiciosos. Até 2010 pretende substituir a frota de 34 mil veículos por carros elétricos, para redução de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera. "É a meta mundial. É claro que no Brasil devemos alinhar a idéia com alguma montadora".A prevenção do desperdício não se restringe aos materiais de escritório, energia e água. Em relatório divulgado nesta semana, o complexo fabril de São José dos Campos concluiu um lucro de R$ 1,3 milhão no ano passado, simplesmente com a venda de descartes que certamente seguiram para o lixo. O investimento foi de R$ 2,64 milhões e as vendas dos resíduos atingiram quase R$ 4 milhões. Foram recicladas 9.361 toneladas de lixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.