Juro avança na BM&F, atento ao dólar e cenário externo

O mercado doméstico de juros começou o dia um pouco mais cauteloso, observando um certo mau humor índices dos futuros em Nova York e alta do dólar. A moeda negociada no pregão viva-voz da Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) subia 0,31% (R$ 2,239) e 0,27% (R$ 2,238) no mercado de balcão (comercial), às 10h08. O juro do contrato de depósito interfinanceiro (DI) futuro mais líquido na BM&F, com vencimento em janeiro/08, avançava, no horário acima, projetando taxa de 15,54%, ante 15,49% de ontem. A continuidade do desempenho positivo verificado no dia anterior dependerá em boa parte do comportamento externo. Os dados mais importantes, hoje, nos Estados Unidos estão concentrados na parte da manhã. E para o mercado doméstico é o que interessa, já que, no Brasil, os negócios fecharão mais cedo por causa do jogo Brasil X Japão, às 16 horas. A liquidez deve se reduzir bastante. O número de pedidos de auxílio-desemprego feitos na semana até 17 de junho nos EUA, divulgados esta manhã, subiu 11 mil, para 308 mil, ante previsões de alta de 15 mil, para 310 mil. O dado não teve influência em Nova York. Aqui, foram divulgadas a segunda prévia de junho do Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) o resultado de 0,56% veio em linha com as expectativas - e a taxa de desemprego de maio, em 10,2%, pouco acima do esperado (10%). A aceleração do IGP-M era já esperada e obedeceu ao comportamento geral dos índices de preços, que sofrem influência da alta do dólar por conta das recentes turbulências dos mercados. Nenhum dos dois dados domésticos alterou a direção ou o ritmo dos negócios com juros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.