Thomas Peter/Reuters
Thomas Peter/Reuters

Juro baixo beneficia Alemanha, diz BCE

Respondendo às críticas do país, banco diz que manutenção de política estimula economia, reduz desemprego e pode levar inflação à meta

Dow Jones Newswires

02 de maio de 2016 | 09h08

A Alemanha perderia se o Banco Central Europeu (BCE) abandonasse sua meta de inflação, com a manutenção das taxas de juros baixas, que podem ser uma bênção, e não apenas um fardo, declarou o membro do Conselho Executivo do Banco Central Europeu (BCE) Benoît Coeuré em coluna no jornal ‘Frankfurter Allgemeine Sonntagszeitungum’.

Sem os estímulos do BCE, a recuperação da atividade econômica na região seria mais lenta, o desemprego maior e o ajuste das contas públicas mais difícil de ser atingido, até mesmo na Alemanha, disse Coeuré após semanas de críticas ao banco por parte de autoridades alemãs, incluindo o ministro de Finanças Wolfgang Schaeuble.

A inflação tem ficado perto do zero no último ano e o BCE levou sua taxa de juros para o território negativo em março, quando as previsões mostraram que o objetivo de alcançar uma inflação de 2% levaria mais alguns anos.

Os críticos alemães acusam a política de baixas taxas de juros do BCE de prejudicar os rendimentos nas contas de poupança e pensões. Coeuré rebateu, dizendo que “as pessoas não são apenas poupadoras – elas também são empregadas, contribuintes e tomadoras de empréstimos, e, como tal, estão se beneficiando do baixo nível de taxas de juro.”

Ele sublinhou ainda que são necessárias taxas de juro baixas agora “para garantir a normalização das condições econômicas, inclusive retornos mais altos para a poupança no futuro”. “Graças à melhoria da economia, estimulada não apenas pela política monetária, o rendimento real e o emprego na Alemanha têm aumentado nos últimos anos”, disse Coeuré. “Em outras palavras, precisamos de juros baixos agora para garantir a normalização das condições econômicas, incluindo retornos mais elevados sobre a poupança no futuro.”

Cenário. Na semana passada, o economista-chefe do BCE, Peter Praet, indicou que a instituição poderia levar as taxas de juros para território mais negativo, mas apenas se a perspectiva para a inflação piorar significativamente na zona do euro. Citando Praet, o jornal espanhol Expansión disse que embora o BCE tenha capacidade de adotar mais ações se necessário, é inapropriado neste momento falar sobre novos instrumentos que poderiam ser usados. 

As declarações são importantes porque Praet é considerado um dos mais fortes defensores de uma política bastante acomodatícia. Ele disse em uma entrevista em março que o BCE não havia atingido seu limite nos cortes de juros, apesar do fato de o presidente do BCE, Mario Draghi, ter dito na semana anterior que não esperava novos cortes. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.