Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Juro de título dos EUA dispara após inflação no varejo

Os títulos do Tesouro dos Estados Unidos cederam fortemente depois da divulgação dos números sobre os preços ao consumidor no país. Para o estrategista do Barclays Capital em Nova York, Michael Pond, "o fortalecimento subjacente dos números da inflação foi muito amplo" e isto irá "aumentar as chances de elevação do juro em junho" pelo Federal Reserve (o banco central dos EUA). O juro do título de 10 anos disparou mais de 1% e chegou a 5,1694% ao ano na máxima. O juro de dois anos foi até 4,9968% anuais. Antes do dado, o juro do papel de 10 anos oscilava próximo de 5,11%. Às 10h10 (de Brasília), subia 1,11% para 5,1573, enquanto o juro do título de dois anos avançava 0,95% para 4,9926%. O CPI subiu 0,6% em abril e o núcleo (que exclui preços de energia e alimentos) avançou 0,3%. Economistas esperavam aumento de 0,6% do índice cheio e de 0,2% do núcleo. "Até o momento, nós não presenciamos um repasse sólido da alta dos preços das commodities no núcleo do índice de preços ao consumidor (CPI), particularmente de energia. Porém há dois meses o núcleo do CPI cresce à taxa de 0,3%, o que deverá chamar a atenção do Fed", acrescentou Pond. Operadores dizem que a alta de 0,3% no núcleo em abril ante março e de 2,3% no acumulado em 12 meses não é compatível com as expectativas do mercado de bônus, as quais vinham se inclinando em direção a pausa no ciclo de aperto monetário do Fed. Outros observadores disseram que a expansão de 3,5% do CPI cheio no acumulado em 12 meses até abril, atribuída à elevação dos preços de energia, não pode ser considerada temporária, como atribuída pelas autoridades. Ainda, a taxa de inflação nesse nível, com perspectiva de alta, é um problema para a economia. As informações são da Dow Jones.

Agencia Estado,

17 de maio de 2006 | 10h38

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.