Juro doméstico fecha em alta na véspera do Copom

O contrato futuro de juro para o mês de janeiro de 2007 (o mais negociado) fechou a terça-feira em alta, projetando taxa de 15,25% ao ano, de 15,20% no fechamento dos negócios ontem. Na véspera da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) sobre a Selic, o mercado de juros doméstico pendeu mais para o conservadorismo, rendendo-se à alta dos juros dos títulos do Tesouro norte-americano (Treasuries) e do dólar aqui. Diferentemente de ontem, quando os juros dos contratos de juro futuro subiram, mas o volume de negócios foi pequeno, com o mercado resistindo à piora, hoje o total negociado foi bem maior e com taxas ainda movimentando-se para cima. A piora externa inibiu o espaço de crescimento para a aposta mais otimista de corte da Selic, de 1 ponto porcentual, que já havia perdido um pouco de terreno ontem. A aposta majoritária - corte de 0,75 pp - ganha com a deterioração do cenário externo, onde se fala em inflação crescente nos EUA e na hipótese de o BC norte-americano (Fed) prolongar o ciclo de aperto monetário. Há relatórios dando conta que o juro norte-americano pode chegar a 6%. O nível mais recorrente mencionado por analistas, no entanto, ainda é de 5% até o meio do ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.